Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 04 de julho de 2016. Atualizado às 22h39.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 05/07/2016. Alterada em 04/07 às 19h41min

Pilha de cronista

Antônio Carlos Côrtes
Nas palestras que realizamos e nos e-mails dos leitores, sempre vem a pergunta: o que é um cronista? A resposta é simples. Trata-se do redator de uma narração em que o protagonista é o fato no tempo e no espaço. Deve redigi-la na forma reduzida e tratar, do cotidiano, assuntos concernentes à arte, esporte, ciência e, hoje, principalmente dos direitos do indefeso consumidor brasileiro, desrespeitado na sua cidadania.
Os cronistas narram pela lente de seus óculos. Por vezes usam-nas para perto, em outras para longe. Sua escrita vai ao ponto nuclear, como se estivesse sentado à sala de visitas do leitor, batendo papo. Por vezes fica no jornalismo em si, mas gosta de dar pitada de humor, contar história e até falar de amor em tempo de tanto desamor.
Fui comunicador de rádio nos anos 1980, era cronista ao microfone e falava direto ao ouvinte. Telefone no ar sem filtrar. Tinha a pretensão de responder ao ouvinte sobre variados temas em época que inexistia o Google. Lembro que também recebia centenas de cartas dos ouvintes. Presidiários, idosos dos asilos, cegos, deficientes que de forma recorrente denunciavam, por exemplo, da pouca duração das pilhas do rádio-portátil que na época suportavam cerca de mais ou menos 60 horas ligadas. Durante mais de mês bati forte no tema para total silêncio dos fabricantes.
Mas aos poucos o cenário foi mudando e passaram a durar mais. Hoje penso que algo precisa ser feito, pois não duram em média mais que 40 horas, quando muito. É usada em rádio-portátil controle remoto, brinquedos, relógios, aparelhos medidores de pressão e outros. Penso firmemente que o consumidor voltou a ser logrado, pois as pilhas AAA sequer trazem na embalagem a informação do tempo de sua duração.
Dentre outras circunstâncias, cronista serve para isso, ser porta-voz do consumidor, que espera um dia ser respeitado em sua cidadania.
Escritor
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia