Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 27 de julho de 2016. Atualizado às 15h44.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

ESTADOS UNIDOS

27/07/2016 - 15h46min. Alterada em 27/07 às 15h47min

Justiça dos EUA retira acusação contra policiais por morte de negro em Baltimore

Em uma decisão surpreendente, os promotores de Justiça dos EUA retiraram as acusações contra três policiais que ainda esperavam por julgamento por estarem envolvidos na morte de Freddie Gray, um homem negro, há mais de um ano na cidade de Baltimore, no estado de Maryland. Desta maneira, o caso termina sem nenhuma condenação.
Os agentes Caesar Goodson, Edward M. Nero e o tenente Brian Rice foram absolvidos de todas as acusações, enquanto o julgamento de William G. Porter, que é negro, foi declarado nulo em dezembro do ano passado.
Os promotores revelaram a decisão frente ao tribunal do julgamento de diretor Garrett Miller, que tinha sido acusado de ter submetido o jovem negro à prática conhecida como o "passeio do cowboy", no qual os detidos são transferidos sem cinto de segurança na cela metálica do veículo em meio a freadas fortes e viradas bruscas, para que se machuquem. A viagem durou cerca de 40 minutos. Freddie Gray morreu no dia 19 de abril de 2015, após uma semana em coma pelas graves lesões. Ele havia sido detido por supostamente possuir uma faca ilegalmente.
Em setembro do ano passado, a cidade de Baltimore concordou com um acordo civil no valor de $ 6,4 milhões com a família de Gray. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia