Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de julho de 2016. Atualizado às 01h15.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Reino Unido

Notícia da edição impressa de 14/07/2016. Alterada em 13/07 às 21h24min

Premiê promete país 'forte e positivo'

Em seu primeiro discurso, May defendeu união das quatro nações

Em seu primeiro discurso, premiê defendeu união das quatro nações


STEFAN ROUSSEAU/AFP/JC
Theresa May, de 59 anos, se tornou oficialmente a nova primeira-ministra do Reino Unido ontem. Após se despedir formalmente do cargo em uma sessão de perguntas e respostas no Parlamento, David Cameron deixou a residência oficial do governo britânico, no número 10 da rua Downing, e entregou pessoalmente sua carta de renúncia à rainha Elizabeth II, que, logo depois, recebeu May e a encarregou de formar um novo governo. Ao cumprimentar a monarca, a nova premiê fez uma reverência em respeito à rainha.
"Meu conselho a minha sucessora, que é uma negociadora brilhante, é que devemos tentar ficar o mais próximos que pudermos da União Europeia (UE) para podermos nos beneficiar do comércio exterior, da cooperação e da segurança", disse Cameron. Muito aplaudido pelos parlamentares, o agora ex-premiê manteve um tom leve em sua despedida, com brincadeiras e comentários bem-humorados - e até uma citação ao grupo Monty Python. Ele recebeu elogios e críticas, mas conseguiu deixar o cargo em uma condição mais positiva do que muitos dos seus críticos esperavam.
Já em seu primeiro discurso como premiê, em frente à residência oficial, May ressaltou que trabalhará pela união. Diante de um país dividido pelo plebiscito que decidiu pela saída da UE, a frisou o compromisso com a união das quatro nações que formam o Reino Unido: Inglaterra, Escócia, Gales e Irlanda do Norte. May reconheceu o momento especial vivido pelo país após o plebiscito e defendeu que tenha um papel "forte e positivo" no mundo.
A segunda premiê da história britânica também lembrou que o Partido Conservador é oficialmente o "Partido Conservador e Unionista". "Eu acredito na união, não apenas nas nações do Reino Unido, mas também de todos os cidadãos", disse. Em meio ao crescimento dos movimentos independentistas na Escócia, May reafirmou seu compromisso em manter a unidade das quatro nações.
Para o eleitorado britânico, Theresa May disse que não priorizará os ricos nem os privilegiados e prometeu governar para os trabalhadores e fazer de tudo para ajudar a vida das pessoas. 
Uma das primeiras decisões de May foi nomear o ex-prefeito de Londres Boris Johnson para o cargo de ministro das Relações Exteriores. Ele foi um dos principais líderes da vitoriosa campanha que levou o país a deixar a UE após o plebiscito. O papel de Johnson nas negociações sobre o Brexit, no entanto, deve ser limitado, pois May deve criar um novo ministério para cuidar exclusivamente da saída do bloco.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia