Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 05 de julho de 2016. Atualizado às 22h47.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Reino Unido

Notícia da edição impressa de 06/07/2016. Alterada em 05/07 às 20h32min

May larga em vantagem na briga para suceder Cameron

Secretária do Interior apoiou campanha pela permanência na UE

Secretária do Interior apoiou campanha pela permanência na UE


FRANTZESCO KANGARIS/AFP/JC
A corrida pela liderança do Partido Conservador, que, por consequência, definirá o próximo primeiro-ministro do Reino Unido, iniciou ontem sua primeira fase, quando parlamentares da legenda realizam uma votação para eliminar um dos cinco candidatos ao posto.
A secretária do Interior, Theresa May - que apoiou o premiê David Cameron na campanha pela permanência na União Europeia (UE) -, saiu na frente no processo. Ela recebeu o voto de 165 membros do Partido Conservador.
May teve mais que o dobro dos votos da segunda colocada, a ministra de Energia Andrea Leadsom, que fez campanha pelo Brexit (processo de retirada do Reino Unido da UE) e recebeu o apoio do ex-prefeito de Londres, Boris Johnson, mas é vista como politicamente menos experiente que a colega. Michael Gove, secretário de Justiça, chegou em terceiro lugar, com 48 votos. Stephen Crebb, secretário de Trabalho e Pensões, recebeu 34. Liam Fox, ex-secretário de Defesa, saiu da disputa ao receber apenas 16 votos.
Após essa primeira rodada, os parlamentares irão repetir o processo mais uma vez amanhã, e novamente na próxima terça-feira, quando a lista ficará reduzida a dois nomes. A votação então será aberta aos cerca de 150 mil membros do partido, que deverão escolher o próximo líder até 9 de setembro.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia