Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 29 de julho de 2016. Atualizado às 15h14.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

29/07/2016 - 15h11min. Alterada em 29/07 às 15h15min

Flórida diz que quatro casos de zika devem ter vindo de mosquitos nos EUA

O governador da Flórida, Rick Scott, afirmou nesta sexta-feira que quatro pessoas na área de Miami provavelmente são as primeiras a terem sido infectadas com zika por mosquitos no território dos Estados Unidos. Scott afirmou que nenhum mosquito na Flórida teve teste positivo para zika, mas o Departamento de Saúde estadual disse acreditar que há "transmissão ativa do zírus da zika" em uma área ao norte do centro de Miami.
Os pacientes, três homens e uma mulher, são todos casos "ativos" de zika, mas nenhum ficou doente o suficiente para precisar de hospitalização, segundo Scott. Os pacientes são dos condados Miami-Dade e Broward.
Mais de 1.650 casos de zika foram registrados até agora em Estados dos EUA e no Distrito de Colúmbia. Virtualmente todos eles, porém, ou eram de pessoas que pegaram a doença fora dos EUA ou que contraíram a enfermidade pelo contato sexual com alguém que viajou para uma área onde a doença está mais presente.
Autoridades dos EUA previam contágios da doença sobretudo em Estados do sul, como Flórida e Texas, onde o mosquito Aedes aegypti, que transmite a doença, é encontrado com mais frequência. Na quinta-feira, houve uma determinação para que os centros de saúde dos dois condados onde houve casos parassem de coletar sangue até que todos possam ser testados para zika. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia