Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 28 de julho de 2016. Atualizado às 00h24.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

santa maria

Notícia da edição impressa de 28/07/2016. Alterada em 28/07 às 00h25min

Justiça decide que réus da Kiss irão a júri popular

Juiz diz que economia com equipamentos de segurança levou à tragédia

Juiz diz que economia com equipamentos de segurança levou à tragédia


JOÃO MATTOS/ARQUIVO/JC
Exatos três anos e meio depois da tragédia que matou 242 pessoas e feriu outras 636 na boate Kiss, em Santa Maria, a Justiça decidiu levar a júri popular os quatro principais acusados de serem responsáveis pelo incêndio. A decisão foi anunciada ontem pelo juiz Ulysses Fonseca Louzada, titular da 1ª Vara Criminal da Comarca de Santa Maria.
Os réus Elissandro Callegaro Spohr, Mauro Londero Hoffmann, Marcelo de Jesus dos Santos e Luciano Augusto Bonilha Leão serão julgados pelas acusações de homicídio duplamente qualificado (242 vezes consumado e 636 vezes tentado), apontadas pelo Ministério Público (MP). Spohr e Hoffmann eram donos do estabelecimento, e Santos e Leão, músicos do grupo Gurizada Fandangueira que fizeram o show pirotécnico que deu origem às chamas. Ainda não há data marcada para o julgamento.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia