Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 04 de julho de 2016. Atualizado às 19h20.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Rio-2016

04/07/2016 - 19h20min. Alterada em 04/07 às 19h20min

Passaportes sem item de segurança ameaçam Jogos, diz federação de policiais

"Criminosos procurados poderão deixar (o Brasil) e terroristas poderão ingressar no país com mais facilidade", afirma a Fenapef na nota

"Criminosos procurados poderão deixar (o Brasil) e terroristas poderão ingressar no país com mais facilidade", afirma a Fenapef na nota


MARCELO CAMARGO/ABR/JC
Agência Brasil
A produção de uma série de passaportes, pela Casa da Moeda, sem a perfuração da numeração poderá colocar em risco a segurança nos Jogos Olímpicos, pois isso facilitaria a falsificação do documento. O alerta foi divulgado hoje (4) pela Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef). Em nota à imprensa, a Fenapef diz que vê com preocupação a autorização da produção pela Casa da Moeda de passaportes sem itens de segurança. Segundo a federação, a falta de tais itens facilitará a falsificação dos passaportes, com implicações para a segurança pública nos Jogos Olímpicos.
"Criminosos procurados poderão deixar [o Brasil] e terroristas poderão ingressar no país com mais facilidade", afirma a Fenapef na nota. O presidente da entidade, Luiz Boudens, teme que isso resulte em  aumento no mercado negro de passaportes.
Em comunicado divulgado na semana passada, a A Casa da Moeda informou que o passaporte não teria a perfuração, mas manteria os demais itens de segurança. A produção de uma série especial ocorreu para agilizar a impressão do documento, prejudicada pela avaria no equipamento perfurante, o que chegou a paralisar a feitura do documento.
"O documento não terá a numeração perfurada, mas manterá todos os demais itens de segurança, inclusive o chip com os dados do solicitante e a validade de 10 anos. O Departamento de Polícia Federal autorizou a produção, e o Ministério das Relações Exteriores está encarregado de fazer a ampla divulgação internacional para garantir o trânsito no exterior", dizia a nota divulgada pela Casa da Moeda.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia