Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 18 de julho de 2016. Atualizado às 17h18.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

RIO-2016

18/07/2016 - 17h21min. Alterada em 18/07 às 17h21min

Ministro da Justiça fará vistoria em cidades-sede de jogos na Olimpíada

Agência Brasil
Em meio ao maior rigor em procedimentos de segurança com a proximidade dos Jogos Olímpicos, o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, fará vistorias em todas as cidades que serão sede de provas. O primeiro destino do ministro deve ser o Rio de Janeiro, sede do evento, mas Moraes irá também às cidades em onde haverá partidas de futebol: Belo Horizonte, Manaus, Salvador, São Paulo e Brasília.
Nesta segunda-feira (18), Moraes se reuniu com o presidente interino, Michel Temer, e o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Sérgio Etchegoyen, para discutir a revisão das medidas de prevenção de atentados que foram anunciadas pelo governo na semana passada, após o ataque em Nice, na França.
Durante a semana, o GSI poderá divulgar outras alterações, como a ampliação do perímetro em que não será permitida a circulação de veículos em torno das arenas. Os novos procedimentos de inspeção de bagagem e revistas de passageiros começaram a ser adotados nesta manhã, causando alguns transtornos como filas grandes e atrasos.
Desde a última quinta-feira (14), quando um franco-tunisiano avançou com um caminhão e matou mais de 80 pessoas em Nice, o governo tem intensificado os encontros para a segurança durante a Olimíada e disse que irá revisar todas as medidas com o objetivo de encontrar lacunas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia