Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 18 de julho de 2016. Atualizado às 17h22.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Rio-2016

18/07/2016 - 17h23min. Alterada em 18/07 às 17h23min

Putin ataca relatório sobre doping na Rússia e critica politização do esporte

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, se manifestou nesta segunda-feira (18)  após a publicação de um informe da Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês) que aponta a participação estatal em um esquema de doping do país nos Jogos de Inverno de Sochi e criticou o que classificou como politização do esporte, alertando que isso pode provocar a volta aos tempos dos boicotes aos Jogos Olímpicos. "O movimento olímpico, que joga um grande papel unificador para a humanidade, se encontra novamente à beira da divisão", afirmou.
Em seu comunicado, Putin lembrou que os Jogos de 1980, em Moscou, foram alvo de boicote de países ocidentais, liderados pelos Estados Unidos. Depois, em 1984, foi a vez da hoje extinta União Soviética responder com a mesma ação na Olimpíada de Los Angeles.
"O movimento olímpico passou por uma séria crise e acabou dividida. Mais tarde, alguns políticos de ambos os lados admitiram que isso foi um erro. Agora, nós vivemos uma revisão dessa interferência dos políticos no esporte. Sim, a forma desta interferência mudou, mas a essência é a mesma: transformar o esporte em um instrumento de pressão geopolítica e para formar uma imagem negativa dos países e pessoas", denunciou.
Putin também desqualificou o informe da Wada, que ficou a cargo do advogado canadense Richard McLaren, afirmando que ele se baseou na declaração de apenas uma pessoa, o ex-diretor do laboratório antidoping da Rússia, Grigory Rodchenkov. Além disso, atacou agências antidoping que pediram a exclusão do país da Olimpíada, especialmente a dos Estados Unidos.
Mergulhado em sua pior crise de doping, o esporte russo já foi alvo de um abalo ao ter o seu atletismo impedido de competir na Olimpíada do Rio - apenas aqueles que conseguirem provar que passaram em controles de doping fora de país é que poderão participar.
Mas o informe produzido pelo advogado canadense, Richard McLaren, à pedido da Wada, revelou que a operação de doping foi conduzida pelo próprio governo. A investigação ainda apontou que o governo de Putin "dirigiu e controlou" o esquema de doping, usando até mesmo os serviços de inteligência da ex-KGB. O especialista indicou que chegou a isso por meio de entrevistas, revisão de milhares de páginas, análises laboratoriais e testes forenses.
Diante disso, a Wada pediu que o Comitê Olímpico Internacional puna o país com dureza. O órgão sugeriu que a Rússia seja excluída de todas as competições da Olimpíada do Rio, além de sugerir que todas as federações esportivas mundiais que se sentiram afetadas pelo esquema tomem medidas contra as associações nacionais esportivas da Rússia.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia