Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 31 de julho de 2016. Atualizado às 22h32.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Inovação

Notícia da edição impressa de 01/08/2016. Alterada em 31/07 às 22h07min

App devolve voz a pessoas com dificuldades na fala

Equipe e mentores do projeto Minha Voz

Equipe e mentores do projeto Minha Voz


PROJETO MINHA VOZ /DIVULGAÇÃO/JC
Patricia Knebel
Devolver a voz para quem perdeu a habilidade de se comunicar por meio da fala em função de alguma cirurgia ou doença. Por enquanto, tudo não passa de uma boa ideia e um protótipo validado como vencedor durante o 2º Startup Weekend Health, que aconteceu recentemente em São Paulo e selecionou ideias de startups voltadas para a área de saúde para serem desenvolvidas.
Mas, no que depender do entusiasmo do grupo de profissionais envolvidos nesse projeto, tem tudo para se tornar um produto inovador e acessível para o maior número de pessoas possível. A ideia do aplicativo Minha Voz começou a ganhar forma durante o evento, experiência onde empreendedores e aspirantes a empreendedores podem descobrir se suas ideias de startups são viáveis. Na ocasião, a arquiteta Marina Vaz contou a história de um familiar seu que teve câncer na língua, fez uma cirurgia e perdeu a habilidade de falar algumas palavras.
A sua meta era desenvolver um sistema que devolvesse a fala para as pessoas - ideia que motivou mais cinco pessoas a se juntaram e ela e, durante 54 horas, trabalharem junto para desenvolver um protótipo. "Conversamos com várias pessoas que enfrentavam problemas de fala e também com as que se comunicavam perfeitamente. Logo vimos que perdemos muito sem a nossa voz, pois ela guarda a nossa identidade", comenta Marina.
Feito essa pesquisa inicial, eles trabalharam o caso de uma pessoa que teve um AVC e que há 16 anos só se comunicava com o olhar. Resgataram um fita em VHS na qual ela ministrava uma aula e, dali, recortaram a voz original, por meio de frases como "quero tomar banho" ou "estou com fome".
Feito isso, inseriram esses áudios no banco de dados do programa. Ao digitar as palavras no aplicativo os áudios são emitidos. "Foi muito emocionante o momento em que ela escutou a sua voz novamente", relembra Marina.
Esse foi apenas um protótipo e a expectativa, no futuro, é desenvolver um software mais sofisticado que facilite essa conversão da voz. Além disso, para os casos em que não existem registros em áudio da voz, a ideia é encontrar um doador. "Não é apenas pegar a voz de outra pessoa, mas estudar a caixa torácica de cada indivíduo, misturar vozes e chegar a um modelo customizado", observa.
O grande diferencial desse aplicativo para outros disponíveis no mercado é o fato de reproduzir a voz original da pessoa ao invés de usar um som eletrônico pré-programado, o que costuma ter efeitos bem positivos na recuperação da autoestima do paciente.
Vendedor do 2º Startup Weekend Health, a equipe do Minha Voz já recebeu muitos telefonemas de pessoas interessadas em ajudar a desenvolver e financiar o projeto e já até tem reuniões agendadas. A perspectiva é que o aplicativo seja gratuito e ganhe uma versão paga quando envolver a programação de frases e textos mais longos.
Os desafios agora passam, especialmente, pela área de tecnologia. Por isso, o grupo, que atualmente é formado também por duas fisioterapeutas, uma fonoaudióloga, um médico especializado em medicina da família e urgências e um desenvolvedor, deve ganhar reforços.

Google e Skol criam primeiro clipe interativo

Foram seis meses de produção e o videoclipe oficial da Delegação Skol, que tem como hino a música Carruagem de Fogo, está pronto para ir ao ar. A marca de cerveja se uniu ao Google, F/Nazca Saatchi & Saatchi, AATOAA (produtora de Vincent Morisset) e ao DJ Omulu para lançar uma plataforma que permite, pela primeira vez, que seis vídeos rodem simultaneamente na tela do celular.
A experiência mista tem a lógica de um game e é estrelado por seis integrantes da Delegação Skol, pessoas que querem viver os Jogos Olímpicos Rio 2016 como um grande momento de festa. Ao clicar em qualquer um deles o usuário provoca sons e efeitos na música que entram no beat dando o toque pessoal e único de cada usuário.
"Nós queremos que a diversão transcenda o Rio de Janeiro e que todos possam curtir os Jogos Olímpicos de uma maneira única. Por isso lançamos o desafio ao Google de criar uma plataforma única, interativa e proporcionar uma diversão única ao alcance da palma da mão", comenta a gerente de Olympics na Ambev, Bruna Buás.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia