Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 29 de julho de 2016. Atualizado às 10h20.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

29/07/2016 - 10h22min. Alterada em 29/07 às 10h22min

Taxas futuras de juros recuam, em linha com mínimas do dólar após PIB dos EUA

Os juros futuros têm recuo moderado a manhã desta sexta-feira (29) e os mais longos renovaram mínimas com o dólar, após a economia dos Estados Unidos ter mostrado crescimento anualizado de 1,2% na primeira estimativa do 2º trimestre, número bem abaixo da previsão de alta de 2,6%, o que reduz as apostas de aperto monetário. Os investidores seguem atentos ao exterior e à espera dos números do setor público em junho, que sairão às 10h30min.
Às 9h42min, o DI para janeiro de 2021 estava a 12,06%, na mínima, de 12,08% no ajuste de quinta-feira. O DI para janeiro de 2018 estava em 12,88%, de 12,91% no ajuste anterior.
Mais cedo, foi revelado que a taxa de desocupação no Brasil ficou em 11,30% no segundo trimestre, de acordo com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), o maior patamar de desemprego já registrado pela Pnad Contínua desde o início da série, em 2012, e em linha com a previsão dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que estimavam uma taxa de desemprego entre 11,20% e 11,90%, com mediana de exatos 11,30%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia