Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 28 de julho de 2016. Atualizado às 00h24.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Telefonia

Notícia da edição impressa de 28/07/2016. Alterada em 28/07 às 00h24min

Oi assegura que operações se manterão intactas e sem riscos

O diretor-presidente da Telefônica Vivo, Amos Genish, avaliou que o processo de recuperação judicial da Oi não trará riscos colaterais para as empresas de telecomunicações, que compartilham redes para otimizar os custos com infraestrutura. Genish comentou que esteve com os dirigentes da concorrente, que lhe passaram segurança sobre a estabilidade das rotinas operacionais.
"Tive reunião com o novo CEO da Oi (Marco Norci Schroeder), e ele me deixou confiante de que as operações vão ser mantidas intactas. Tenho segurança de que eles têm caixa suficiente para manter as operações do dia a dia", disse Genish. O executivo afirmou também que a participação de mercado das operadoras não será alterada devido à recuperação judicial da Oi. Isso só ocorrerá se a concorrente deixar de entregar os serviços contratados pelos clientes ou tiver alguma piora relevante no atendimento. Entre os setores mais sensíveis, na avaliação de Genish, está o mercado corporativo (B2B), que contrata serviços de maior peso junto às operadoras.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia