Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 27 de julho de 2016. Atualizado às 09h01.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

27/07/2016 - 09h02min. Alterada em 27/07 às 09h02min

Balanços e dados positivos impulsionam bolsas da Europa, em dia de Fed

Os mercados acionários europeus operam em alta nesta quarta-feira (27), com foco em alguns balanços e indicadores positivos divulgados mais cedo. A manhã é positiva nas bolsas mesmo em meio a um recuo das commodities e diante da expectativa pela decisão de política monetária do Federal Reserve, o banco central norte-americano, que sai às 15h (de Brasília).
Vários balanços importantes estão sendo divulgados hoje. Mais cedo, o Santander informou que teve lucro líquido de 1,278 bilhão de euros (US$ 1,41 bilhão) no segundo trimestre deste ano. Apesar da queda de quase 50% no lucro, o balanço do banco agradou os analistas e as ações subiam 4,27% na Bolsa de Madri, às 8h15. Na Bolsa de Milão, a ação da Telecom Italia subia 9,96%, após a companhia melhorar suas expectativas para os resultados deste ano.
A companhia alemã Bayer subia 1,36% em Frankfurt, após informar que seu lucro líquido subiu 18,6% no segundo trimestre deste ano, na comparação anual, para 1,38 bilhão de euros (US$ 1,52 bilhão). Em Paris, o papel da Air France avançava 2,30%, após a companhia aérea informar que teve lucro líquido no segundo trimestre, mesmo depois de a empresa advertir sobre o impacto de ataques terroristas em seus resultados. Por outro lado, Deutsche Bank recuava 4,20%, após informar que teve uma queda de 98% em seu lucro líquido no segundo trimestre, na comparação anual, com desempenho mais fraco em seu banco de investimentos e custos de reestruturação.
Na agenda de indicadores, o Produto Interno Bruto (PIB) do Reino Unido cresceu 0,6% no segundo trimestre deste ano, na comparação com o anterior, acima da previsão de +0,4% dos analistas. Na Alemanha, o índice GfK caiu de 10,1 em julho para 10,0 em agosto, mas acima da expectativa de 9,9 dos economistas.
Há expectativa nos mercados pela decisão do Fed, nesta tarde. Ainda que o consenso seja de que o banco central dos EUA não mudará agora sua política monetária, os investidores buscam qualquer sinal sobre os próximos passos do gradual aperto monetário conduzido pela instituição comandada por Janet Yellen. Além disso, há interesse sobre os próximos passos do Japão, que pode anunciar em breve um pacote de estímulos - hoje, a Bolsa de Tóquio subiu 1,72%, sustentada pelas esperanças de novos estímulos no Japão, após a imprensa local informar que o primeiro-ministro Shinzo Abe deve anunciar em breve um pacote de 27 trilhões de ienes (US$ 254 bilhões).
Nesse cenário, mesmo o recuo dos commodities nesta manhã não impede um avanço das bolsas. Às 8h34min (de Brasília), a Bolsa de Londres subia 0,58%, Frankfurt avançava 0,80% e Paris tinha alta de 1,44%. No câmbio, o euro subia a US$ 1,0992, perto da estabilidade, e a libra caía a US$ 1,3098.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia