Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 26 de julho de 2016. Atualizado às 16h07.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

26/07/2016 - 16h09min. Alterada em 26/07 às 16h09min

Tarifas de cooperativas de distribuição de energia da região Sul são reajustadas

Agência Brasil
A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou hoje (26), os reajustes tarifários de quatro cooperativas de energia do Rio Grande do Sul, que entram em vigor no próximo sábado (30). Três cooperativas terão redução no valor das tarifas.
Para a Cooperativa de Energia Coprel, que atende a 51,3 mil consumidores, a redução média nas tarifas será de 3,06%. Os 60 mil consumidores que recebem energia da Cooperativa de Distribuição de Energia Teutônia (Certel) terão redução média de 4,32% nas tarifas e os 25,6 mil atendidos pela Cooperativa de Distribuição e Geração de Energia das Missões (Cermissões), de 5,11%.
Já a tarifa da Cooperativa Regional de Energia e Desenvolvimento Ijuí (Ceriluz) terá aumento médio de 5,34%. A distribuidora atende a 13,5 mil consumidores em Ijuí (RS).
A Aneel também aprovou hoje a revisão tarifária da Cooperativa de Distribuição de Energia Elétrica de Arapoti (Ceral DIS), localizada no município de Arapoti (Paraná). O efeito médio a ser percebido pelos consumidores será de 10,53% - 13,34% para os consumidores conectados em alta tensão e 8,63% para os conectados em baixa tensão. As novas tarifas entram em vigor neste sábado (30).
Segundo a Aneel, o cálculo dos reajustes considera a variação de custos que a empresa teve no período, incluindo custos típicos da atividade de distribuição e outros custos como energia comprada de geradoras, encargos de transmissão e encargos setoriais. A aplicação do reajuste anual e da revisão tarifária está prevista nos contratos de permissão assinados entre as cooperativas e o governo federal, por meio da Aneel. Os índices homologados pela Agência são os limites a serem praticados pelas cooperativas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia