Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 21 de julho de 2016. Atualizado às 14h03.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Tecnologia

21/07/2016 - 14h07min. Alterada em 21/07 às 14h09min

Brasileiro iFood vai operar no México

O serviço de delivery online de comida iFood vai iniciar, em breve, sua operação no México. Após levantar US$ 100 milhões com investidores, a empresa acaba de comprar 49% do serviço mexicano de delivery de comida SinDelantal, dando o primeiro passo da empresa para o processo de internacionalização de seus negócios.
A compra foi feita em parceria com a empresa europeia Just Eat - uma das principais investidoras do iFood, ao lado da brasileira Movile, que detém 60% da empresa. Na prática, a operação do serviço no México ficará sob a responsabilidade da equipe do iFood que, por enquanto, não pretende lançar sua marca no novo mercado.
Segundo o diretor financeiro do iFood, Carlos Moysés, a empresa escolheu o mercado mexicano para iniciar sua internacionalização devido ao número de consumidores e às similaridades com o mercado brasileiro.
"O México é hoje o segundo maior mercado da América Latina e, junto com Brasil, representa 70% do mercado de internet da região", diz o executivo. "Queremos repetir o sucesso que temos no Brasil em outros países." A empresa não revela o valor da transação.
De acordo com Moysés, o principal desafio da expansão para o México é entender o mercado local, além de garantir que os novos funcionários da empresa possam gerir o negócio, seguindo as mesmas diretrizes já adotadas no Brasil. "Estamos optando por explorar primeiro países que tenham afinidades culturais com o Brasil", diz o executivo.
Atualmente, o iFood tem mais de 2 milhões de usuários ativos no Brasil e mais de 10 mil restaurantes cadastrados na plataforma. Ao se cadastrar por meio do site ou aplicativo, o usuário informa seu endereço ou autoriza o serviço a usar a localização do smartphone para indicar restaurantes próximos de onde ele está. No total, são realizados mais de 2 milhões de pedidos por meio do serviço ao mês.
Lançado em 2011, o serviço de delivery de comida ganhou impulso ao vender 30% de participação à Movile em 2013, por US$ 5,25 milhões - a empresa aumentou sua participação ao longo do tempo. Em seguida, a empresa acelerou seu crescimento por meio da fusão com diversos sites similares, como Restaurante Web e Hello Food. Isso garantiu que a plataforma consolidasse sua liderança.
De acordo com Moysés, o faturamento do iFood cresceu 300% no último ano e a companhia começou a gerar lucro em março de 2016. O modelo de negócios do serviço é baseado na cobrança de uma comissão de 12% sobre o valor de cada pedido de usuários aos restaurantes credenciados.
Segundo Moysés, além do México, os executivos à frente do iFood também consideram expandir a operação do serviço para outros países da América Latina nos próximos anos. A prioridade agora, porém, é concentrar os esforços nas operações brasileira e mexicana.
Com o início da operação do iFood no México, a Movile está acelerando sua estratégia de transformar empresas brasileiras que controla em serviços de internet globais. O primeiro serviço da companhia a ganhar o mundo foi o aplicativo de conteúdo para crianças PlayKids, criado na própria empresa, e que reúne mais de 6 milhões de usuários no mundo. "Temos o principal aplicativo do mundo para crianças menores de 6 anos", disse o presidente executivo da Movile, Fabrício Bloisi, ao jornal "O Estado de S. Paulo" , em junho. "Nosso objetivo é tornar outros serviços nossos, como o iFood e o aplicativo de entregas Rapiddo, em líderes globais." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia