Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 18 de julho de 2016. Atualizado às 22h26.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

agronegócios

Notícia da edição impressa de 19/07/2016. Alterada em 18/07 às 21h10min

John Deere fecha carteira até outubro, mas prevê queda no ano

Herrmann esteve na CIC de Caxias

Herrmann esteve na CIC de Caxias


JULIO SOARES/OBJETIVA /DIVULGAÇÃO/JC
Roberto Hunoff, de Caxias do Sul
O presidente da John Deere Brasil, Paulo Herrmann, confirmou identificação, por parte da multinacional, de indicativos positivos de recuperação do mercado doméstico. Em palestra na Câmara de Indústria, Comércio e Serviços (CIC)de Caxias do Sul, adiantou que a empresa está com carteira de pedidos completa até outubro e projeta situação semelhante para os meses de novembro e dezembro. Mesmo assim, a multinacional terá recuo nas vendas deste ano, gerando resultado negativo. "O mercado doméstico, de forma geral, fechará em baixa de 15% na comparação com o ano passado", resumiu.
Mas, em função da carteira de pedidos, Herrmann informou que a fábrica de colheitadeiras de Horizontina não renovou a adesão ao Programa de Proteção ao Emprego (PPE), instituído em dezembro do ano passado para 927 dos seus 1,5 mil trabalhadores. Em cinco meses, os funcionários tiveram jornada de trabalho reduzida em 30%, medida que evitou em torno de 300 demissões. De acordo com o presidente, a fábrica também retomou contratações. Ele acredita que, no próximo ano, as vendas internas aumentem de 15% a 20% sobre as estimativas existentes para 2016.
Um dos principais sintomas da reação do mercado, que somente deve ter constância efetiva a partir do segundo semestre do próximo ano, na avaliação de Herrmann, é a inversão da curva de confiança do setor agrícola. O executivo mostrou levantamento apontando que, no terceiro trimestre de 2015, o indicador caíra para 85,9 pontos, quase 12 abaixo do consolidado em 2013. No segundo trimestre deste ano, o índice já alcançou 91,9 pontos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia