Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 15 de julho de 2016. Atualizado às 09h10.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

15/07/2016 - 09h10min.

Petróleo recua com preocupações sobre oferta e à espera da Baker Hughes

Os futuros de petróleo operam em baixa na manhã desta sexta-feira (15), em meio a sinais de que o excesso de oferta global da commodity está diminuindo em ritmo mais lento do que se esperava.

Às 8h07min (de Brasília), o petróleo tipo Brent para setembro caía 0,42% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 47,17 por barril, enquanto o WTI para agosto recuava 0,48% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 45,46 por barril.

Os mercados mantêm a volatilidade, após uma recente onda de apetite por risco ter perdido força e enquanto os investidores digerem dados que mostram produção em queda na América do Norte, mas estoques ainda elevados de petróleo bruto e produtos refinados ao redor do mundo.

Em junho, a oferta global de petróleo cresceu 600 mil barris por dia, a 96 milhões de barris diários, segundo relatório mensal divulgado esta semana pela Agência Internacional de Energia (AIE).

Apenas no primeiro trimestre, o avanço na produção das refinarias foi 60% maior que o aumento da demanda por produtos refinados, deixando o mundo com um grande volume excedente de combustíveis, avaliou a AIE.

Mesmo com os robustos níveis de consumo na Europa, o excesso de gasolina deverá persistir pelo restante do ano, avalia a corretora PVM em nota a clientes.

Mais tarde, o foco dos investidores vai se voltar para a pesquisa semanal da Baker Hughes sobre plataformas em operação nos EUA. O último levantamento mostrou aumento no número de plataformas em atividade, o que deixou as cotações do petróleo pressionadas. A nova pesquisa deve sair às 14h (de Brasília).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia