Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de julho de 2016. Atualizado às 17h53.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

14/07/2016 - 17h54min. Alterada em 14/07 às 17h54min

Petróleo fecha em alta, estimulado pela queda do dólar e apetite por risco

Os contratos futuros de petróleo voltaram a subir nesta quinta-feira (14) e fecharam em alta, estimulados pela queda do dólar e pelo maior apetite por risco. A recuperação veio um dia depois de a commodity amargar uma queda brusca e chegar ao menor nível em dois meses.
O WTI para agosto, negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex), subiu 2,07% (US$ 0,93) e fechou a US$ 45,68 por barril. Já o Brent para setembro, negociado em Londres, avançou 2,39% (US$ 1,11) e encerrou cotado a US$ 47,37.
A cotação do petróleo tem sido fortemente influenciada pelas bolsas e pelo dólar desde a decisão do Reino Unido de deixar a União Europeia. O plebiscito fomentou incertezas sobre as perspectivas de crescimento global. Com isso, os operadores estão de olho no dólar e nos mercados acionários para procurar saber se os investidores ainda estão procurando ativos seguros ou se estão dispostos a colocar seu dinheiro em algo mais volátil.
De acordo com o presidente da consultoria Ritterbusch & Associates, Jim Ritterbusch, o excesso de oferta do petróleo continua expandindo, o que mostra que o equilíbrio entre oferta e demanda vai demorar mais tempo do que o esperado para ser atingido.
Segundo a Agência Internacional de Energia, há sinais apontando para uma desaceleração da demanda num momento em que os estoques estão em níveis recordes.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia