Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 13 de julho de 2016. Atualizado às 18h47.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

13/07/2016 - 18h49min. Alterada em 13/07 às 18h49min

Petróleo fecha em queda com dados de estoques dos EUA, perdendo ganhos de ontem

Os contratos futuros de petróleo fecharam em forte queda nesta quarta-feira (13), após os dados mostrarem que os estoques dos EUA e seus produtos refinados atingiram um recorde de alta.
O Departamento de Energia dos EUA (DoE) informou que os estoques norte-americanos de petróleo bruto caíram 2,546 milhões de barris na semana encerrada em 8 de julho, para 521,804 milhões de barris. A queda foi ligeiramente menor que a previsão de analistas consultados pelo Wall Street Journal, que previam recuo de 2,6 milhões de barris.
Entretanto, a queda foi compensada por um aumento nos estoques de gasolina e destilados. O total de suprimentos comerciais de petróleo e seus produtos aumentou em 7,1 milhões de barris, para 1,38 bilhão de barris, um recorde nos dados semanais do DoE que remonta aos anos 1990.
Em Nova Iorque, o WTI para agosto fechou em queda de 4,38%, a US$ 44,75 por barril. Já o petróleo Brent para setembro encerrou as negociações a US$ 46,26 o barril, com recuo de 4,55%.
Alguns analistas estão alertando que em alguns locais o espaço para armazenamento de produtos refinados pode ficar lotado. Se tanques de armazenamento ficarem se espaço para os produtos, os preços em algumas regiões podem despencar para atrair mais compradores.
"Isso deve inspirar mais conversações e a implementação de mais cortes, diminuindo ainda mais a demanda por petróleo e exacerbando o excesso no mercado", disse Andy Lipow, presidente da Lipow Oil Associates.
Mais cedo nesta quarta-feira, a Agência Internacional de Energia (AIE), afirmou em seu relatório mensal que os estoques recordes da commodity e seus produtos ameaçam a recente estabilidade dos preços.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia