Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 13 de julho de 2016. Atualizado às 12h06.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

operação zelotes

13/07/2016 - 12h08min. Alterada em 13/07 às 12h08min

Carf retoma julgamento de recursos que envolvem autuações fiscais do Grupo Gerdau

O Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) retomou na manhã desta quarta-feira (13) o julgamento de quatro recursos que envolvem autuações fiscais do Grupo Gerdau. O caso começou a ser julgado no mês passado, mas houve um pedido de vista coletiva pelos conselheiros.
Os recursos em julgamento foram alvos da Operação Zelotes, por suspeita de pagamento de propina para influenciar decisões do colegiado.
Todos os quatro recursos dizem respeito a casos conhecidos como ágio interno - operações de aquisição de participação entre empresas de um mesmo grupo econômico, com o objetivo de deduzir do Imposto de Renda (IRPJ) e da CSLL a diferença de despesa registrada na operação.
Três são recursos da Fazenda Nacional de 2010. Na outra, de 2011, a própria Gerdau é autora do recurso. Estimativa não oficial da Receita aponta para um impacto de até R$ 4 bilhões à siderúrgica, caso a companhia perca as ações.
Até o pedido de vistas, sete conselheiros haviam votado. Quatro deles acompanharam a relatora Adriana Gomes Rego, que se posicionou contra a Gerdau. Outros três divergiram da relatora. Faltaram os votos de dois representantes dos contribuintes e um representante da Fazenda Nacional.
Com a retomada da discussão, os votos podem ser alterados. Em caso de empate, o presidente do Carf, Carlos Alberto Barreto, é responsável pelo voto de Minerva.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia