Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 13 de julho de 2016. Atualizado às 11h08.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

13/07/2016 - 11h12min. Alterada em 13/07 às 11h12min

Bovespa firma-se em queda após abertura em Nova Iorque

A Bovespa dá sinais de fraqueza na manhã desta quarta-feira (13), após subir 4,66% nos últimos cinco pregões. Depois de abrir de lado, firmou-se em queda pouco depois das 10h30min, refletindo a o início dos negócios em Wall Street.
Às 10h38min, o Ibovespa recuava 0,51%, aos 53.980,85 pontos, pressionado principalmente pelas ações da Petrobras, que operam em queda de 2,11% (ON) e 1,67% (PN), em linha com a desvalorização dos preços do petróleo em Londres e em Nova Iorque. Os papéis da Vale também devolvem parte dos ganhos recentes, em baixa de 0,79% (ON) e 1,09% (PNA).
Internamente, as atenções seguem voltadas para a eleição do novo presidente da Câmara, marcada para às 16 horas, cujo resultado será crucial para o governo Michel Temer, uma vez que determinará a facilidade que o presidente interino terá para aprovar medidas importantes de ajuste fiscal no Congresso.
Em Wall Street, no mesmo horário, Dow Jones subia 0,02%, S&P 500 recuava 0,02% e Nasdaq avançava 0,03%. Depois de dois dias de rali, com o S&P 500 e o Dow Jones atingindo ontem máximas históricas, os investidores continuam atentos à Europa e sinalizam que ainda seguem dispostos a tomar risco - embora em ritmo mais moderado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia