Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 12 de julho de 2016. Atualizado às 09h26.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

12/07/2016 - 09h28min.

Cobre avança impulsionado por bolsa chinesa, petróleo forte e dólar fraco

Os preços do cobre continuam a se recuperar nesta terça-feira (12) diante de uma combinação de avanço das bolsas na China, petróleo mais forte e dólar fraco, o que impulsionaram a demanda pelo metal.

Por volta das 8h30min (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) subia 1,90%, a US$ 4.838,00 por tonelada, atingindo o maior nível em cinco dias no início da sessão, a US$ 4.843,00. Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova Iorque (Nymex), o cobre para setembro avançava 1,84%, a US$ 2,1870 por libra-peso, às 9h10min (de Brasília).

"Os metais comuns estão negociando em território positivo, em sintonia com as ações da China durante a noite e o petróleo bruto nesta manhã", disse Dee Perera, analista de metais básicos na Marex Spectron.

Na Ásia, o índice Shanghai Composite fechou em alta de 1,8% maior, indicando aumento do apetite por ativos mais arriscados.

Além disso, o índice do dólar está em queda de 0,40%, tornando a commodity denominada em dólar mais barata aos detentores de outras moeda.

Olhando para o futuro, os investidores "permanecem atentos antes da divulgação de dados econômicos na China entre a noite de hoje e amanhã", disse o ANZ Research. Como a China é o maior consumidor de cobre do mundo, a trajetória econômica do país geralmente é refletida nos preços do cobre.

Outros metais também avançam na LME. O alumínio subia 0,50%, a US$ 1.659,50 a tonelada; o zinco avançava 1,9%, a US$ 2.180,50 a tonelada; o níquel tinha alta de 3,5%, a US$ 10.395 a tonelada; o chumbo avançava 1,9%, a US$ 1.855 a tonelada; e o estanho tinha ganho de 0,60%, a US$ 17.975 a tonelada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia