Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 11 de julho de 2016. Atualizado às 17h25.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

11/07/2016 - 17h27min. Alterada em 11/07 às 17h27min

Ouro fecha em queda em Nova Iorque com diminuição das tensões sobre a economia

Os contratos futuros de ouro fecharam em queda nesta segunda-feira (11) após a divulgação do relatório de emprego dos Estados Unidos, também chamado de payroll, que registrou criação de vagas bem acima do esperado em junho e, com isso, diminuiu as tensões sobre o estado da economia norte-americana.
O ouro para agosto negociado na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), fechou em queda de 0,30%, a US$ 1.356,60 a onça-troy - terceira dia consecutivo de perdas.
De acordo com os dados divulgados na sexta-feira, foram criados em junho 287 mil postos de trabalho, bem acima dos 11 mil de maio e da previsão para o mês, de 165 mil. As informações foram recebidas com alívio após os dados de maio, que mostraram o menor ganho mensal em cinco anos e deixaram os investidores na expectativa de que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) fosse adiar uma alta nos juros nos próximos meses.
"Os dados de sexta-feira foram surpreendentemente bons", afirmou Bernard Dahdah, analista de metais preciosos na Natixis. "Se não fosse pela situação que temos agora na Europa, os preços do ouro poderiam ter caído abaixo de US$ 1.250", disse.
O fortalecimento dos dados sobre o mercado de trabalho dos EUA geralmente iria pesar sobre o preço do ouro. Entretanto, as tensões sobre a economia global após a decisão do Reino Unido de deixar a União Europeia continuam a causar pressão ascendente", explicou Dahdah. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia