Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 11 de julho de 2016. Atualizado às 12h09.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

11/07/2016 - 12h12min.

Em meio a bom humor externo, Bovespa registra alta

A Bovespa abriu em alta nesta segunda-feira (11), favorecida pelo bom humor nos mercados acionários internacionais diante da expectativa por estímulos no Japão e em meio ao otimismo com os dados recentes de emprego nos EUA que, na sexta-feira, levaram o S&P 500 a fechar no segundo maior patamar da história.

Às 11h10min, o Ibovespa avançava 1,08%, aos 53.712,44 pontos, renovando máximas instantes após o início dos negócios em Wall Street. Por lá, o Dow Jones subia 0,41%, o S&P 500 tinha ganho de 0,27% e o Nasdaq, valorização de 0,59%. Na Ásia, Tóquio liderou um rali nas bolsas da região mais cedo, em meio à perspectiva de novos incentivos fiscais após a vitória da coalizão governista na eleição parlamentar de ontem no Japão.

No mercado de câmbio, a alta do dólar à vista perdeu força mesmo após o Banco Central (BC) vender todos os 10 mil contratos de swap cambial reverso em leilão realizado na última hora. A desaceleração aconteceu após os preços do petróleo firmarem-se em alta nos mercados futuros em Nova Iorque e em Londres. Às 11h17min, o dólar à vista subia apenas 0,04%, negociado a R$ 3,2980.

Internamente, o foco está na eleição do novo presidente da Câmara, prevista para quarta-feira. Além de ser o primeiro na linha sucessória do presidente em exercício, Michel Temer, o substituto de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) será uma figura central para os próximos passos do governo, já que terá poder para acelerar ou atrapalhar votações de projetos importantes para o ajuste fiscal, assim como pautar o processo de cassação do ex-presidente da Casa. A poucos dias do recesso parlamentar do meio do ano, Temer deve correr por fora para tentar garantir a escolha de um aliado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia