Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de julho de 2016. Atualizado às 11h07.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

aviação

08/07/2016 - 11h11min. Alterada em 08/07 às 11h11min

Espanhola Ferrovial se prepara para disputar leilão de aeroportos no Brasil

O presidente da Ferrovial Agroman, Alejandro de la Joya, disse nesta quinta-feira (7) em Madri, que a empresa espanhola está interessada na concessão dos quatro novos aeroportos no Brasil. O executivo do grupo, que tem uma construtora e opera terminais na Europa, afirmou que eventual participação da companhia nos leilões será "ativa" nos consórcios. Segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo, a espanhola vem para engrossar o interesse nas concessões. Segundo fontes, a lista já inclui outros grupos estrangeiros, a maior parte deles da Europa.
"Estamos interessados e acompanhamos essas quatro privatizações. Não há decisão, todavia, em função da composição com os sócios que conseguiremos e onde pode haver maior sinergia", disse de la Joya, durante palestra realizada no 15.º Encontro Santander América Latina, na capital espanhola. O governo já anunciou que oferecerá à iniciativa privada os terminais de Florianópolis, Fortaleza, Porto Alegre e Salvador.
Questionado sobre como deverá ser a atuação da empresa, que já administra terminais aeroportuários como Heathrow, em Londres, De la Joya disse que a Ferrovial "gosta de ter participação ativa". "Se eu posso ter uma participação ativa com 40%, não faz falta ter 51% do consórcio", disse, ao explicar que não há "numero mágico" para a costura de consórcios.
O executivo reconheceu que a frágil situação do setor de construção no Brasil pode gerar espaço para a entrada mais forte de construtores e operadores estrangeiros. "Mas preferimos que as empresas locais tenham boa forma", disse a jornalistas, após painel sobre a infraestrutura na América Latina.
De la Joya nega que a empresa esteja avaliando algum empreendimento já concedido à iniciativa privada e que esteja procurando novo sócio. O executivo citou, porém, que "neste momento não temos nenhuma concessão de rodovias, mas sempre estamos de olho".
Apesar de o projeto de privatizações ser prioritário para reforçar o caixa do governo, a expectativa é de que falte tempo para conseguir realizar o leilão dos quatro aeroportos ainda este ano.
Na melhor das hipóteses, disse uma fonte do setor, o edital deverá ser lançado este ano, com o evento ficando para janeiro de 2017. No discurso oficial, no entanto, o governo planeja fazer a licitação ainda no segundo semestre. O processo de audiência pública sobre o tema foi concluído no último dia 20.
Apesar do interesse estrangeiro, o fator impeachment ainda pesa contra o andamento do processo, uma vez que o afastamento da presidente Dilma Rousseff ainda é temporário. "Os olhos (dos investidores) estão abertos, mas há receio por causa da estabilidade política", disse Ricardo Medina, especialista em infraestrutura do L.O. Baptista-SVMFA.
Para Medina, a conclusão do processo será determinante para o retorno dos investimentos do País: "É o turning point (ponto de inflexão), porque o Brasil passa a ter um navegador definido. Supera-se uma etapa e o investidor sabe definitivamente com quem tem que falar. Hoje não há muita certeza sobre a linha que o País vai tomar."
Os espanhóis estão longe de ser os únicos interessados nos ativos que o governo quer leiloar. Segundo fontes que acompanham o processo de perto, a alemã Fraport, a suíça Zurich Airport, a francesa Aéroports de Paris (ADP), a argentina Corporación América, as norte-americanas ADC & HÁS e DFW Airport e a teuto-canadense Avialliance (ex-Hochtief) também estariam avaliando os projetos. Algumas delas já teriam até mesmo acertado parceria com empresas nacionais - uma delas seria a Avialliance, que está alinhada ao Pátria Investimentos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia