Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 06 de julho de 2016. Atualizado às 08h36.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

06/07/2016 - 08h36min. Alterada em 06/07 às 08h36min

Ansiedade com Brexit derruba bolsas na Ásia, mas chinesas sobem moderadamente

As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em baixa nesta quarta-feira (6), em meio a uma nova onda de ansiedade causada pelos riscos do chamado "Brexit", ou seja, a saída do Reino Unido da União Europeia, que foi decidida em plebiscito no último dia 23. A exceção foi os mercados chineses, que se recuperaram na segunda parte do pregão.
O índice japonês Nikkei liderou as perdas na região, com queda de 1,85%, a 15.378,99 pontos. Em Seul, o sul-coreano Kospi também caiu 1,85%, a 1.953,12 pontos, enquanto em Hong Kong, o Hang Seng recuou 1,23%, a 20.495,29 pontos, e em Taiwan, o Taiex registrou perda de 1,6%, a 8.575,75 pontos. Não houve negócios nas Filipinas, Índia e Cingapura hoje, devido a feriados locais.
Os temores com o Brexit voltaram a ganhar força após três grandes fundos de investimento imobiliário suspenderem os resgates no Reino Unido, a libra esterlina renovar mínimas em 31 anos e o presidente do Banco da Inglaterra (BoE), Mark Carney, afirmar ontem que existe um limite para o que o BC inglês pode fazer para aliviar os problemas econômicos.
Diante de tantas incertezas, a aversão a risco prejudicou os negócios com ações na Ásia e, ao mesmo tempo, favoreceu ativos considerados mais seguros, como o iene e os bônus do governo japonês (JGBs), cujos juros atingiram mínimas históricas.
O iene forte tende a afetar a competitividade das exportadoras japonesas e gera especulação sobre a possibilidade de Tóquio intervir por meio de novos estímulos monetários ou fiscais.
A China, por sua vez, contrariou o viés negativo da região asiática e terminou o dia com ganhos moderados. Superando perdas da primeira metade da sessão, o Xangai Composto se recuperou à tarde e subiu 0,4%, a 3.017,29 pontos, sustentado por ações defensivas ligadas ao álcool e ao ouro. O Shenzhen Composto, que tem menor abrangência, também avançou 0,4%, a 2.015,17 pontos.
Na Oceania, o mercado australiano ficou igualmente em terreno negativo. O S&P/ASX 200, que reúne as empresas mais negociadas em Sydney, caiu 0,6%, a 3.197,50 pontos, atingindo o menor patamar em uma semana. Os papéis dos quatro maiores bancos da Austrália recuaram entre 0,6% e 1,9%, em meio a preocupações de que o setor bancário talvez necessite elevar suas reservas de capital.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia