Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 05 de julho de 2016. Atualizado às 10h37.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

05/07/2016 - 10h37min.

Petróleo opera em forte baixa com saída de especuladores dos mercados

Os futuros de petróleo operam em forte baixa na manhã desta terça-feira (5), à medida que preocupações com a economia global levam especuladores a saírem dos mercados da commodity.

Às 10h15min (de Brasília), o petróleo tipo Brent para setembro caía 2,59% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 48,80 por barril, enquanto o WTI para agosto recuava 3,04% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 47,50 por barril.

O número de operadores que faziam apostas especulativas com o petróleo diminuiu, levando à queda dos preços em meio à venda de posições.

A redução provavelmente está relacionada à recente decisão do Reino Unido de votar por sua saída da União Europeia, num processo chamado "Brexit", que gerou incertezas nos mercados financeiros e desencorajou os especuladores de investirem em ativos mais arriscados, como o petróleo.

Analistas dizem que incertezas sobre a perspectiva da economia mundial podem impedir a demanda por petróleo de crescer tanto quanto se esperava anteriormente.

Por outro lado, militantes conhecidos como Vingadores do Delta do Níger alegam que fizeram hoje novos ataques a instalações petrolíferas na Nigéria, semanas depois de o governo nigeriano ter supostamente fechado um acordo de cessar-fogo com o grupo. No fim de semana, os rebeldes fizeram ataques semelhantes a instalações da petrolífera estatal da Nigéria, a NNPC, e a poços explorados pela norte-americana Chevron.

Os ataques tendem a prejudicar a produção nigeriana, que recentemente se recuperou para cerca de 2 milhões de barris por dia, e a limitar a queda nos preços do petróleo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia