Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 02 de julho de 2016. Atualizado às 15h33.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria automotiva

02/07/2016 - 15h33min. Alterada em 02/07 às 15h33min

Venda de carros registra pior semestre em 10 anos

Queda de 10% na comercialização de carros é prevista pela Fenabrave

Em junho, as vendas também foram as mais baixas para o mês desde 2006


JONATHAN HECKLER/JC
As vendas de veículos novos no Brasil no primeiro semestre somaram 983,5 mil unidades, desempenho 25,4% inferior ao de igual intervalo de 2015. É o pior resultado para o período em dez anos. Em junho, as vendas também foram as mais baixas para o mês desde 2006, com um total de 171,8 mil automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus, segundo dados do mercado com base nos licenciamentos do Denatran.
Em relação a maio, os negócios cresceram 2,57%, mas a indústria credita a melhora ao fato de junho ter um dia útil a mais. No comparativo da média diária, houve recuo de 2% nas vendas.
O segmento de caminhões é o que segue com maior recuo, de 33% em junho ante o mesmo mês do ano passado. Em relação a maio, houve melhora de 3%.
O que tem gerado esperança entre as fabricantes de que há sinais de melhora no mercado total é a redução, mês a mês, do acumulado da queda anual de vendas. Em janeiro estava em 38,8%, foi a 31,3% no bimestre e a 28,6% no trimestre. Nos primeiros quatro meses baixou para 27,9%, na sequência para 26,6% e agora está em 25,4%.
A previsão da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) é encerrar o ano com vendas de 2 milhões de veículos, o que representará queda de 19% na comparação com 2015.
Enquanto não há recuperação efetiva do mercado, as montadoras seguem adotando medidas de corte de produção, com redução de jornada, férias coletivas, suspensão de contratos (lay-off) e abertura de programas de demissão voluntária (PDV). Em 12 meses encerrados em maio, as montadoras fecharam 10,2 mil postos de trabalho.
A General Motors encerrou o semestre como líder de vendas de carros e comerciais leves, com 16,5% de participação, seguida pela Fiat (15,1%) e Volkswagen (3,3%). Hyundai e Toyota ocupam a quinta e sexta posição, respectivamente com 10,1% e 9% de participação.
Os carros mais vendidos em junho foram Chevrolet Onix (11,5 mil unidades), Hyundai HB20 (9,5 mil), Renault Sandero (6 mil), Ford Ka (5,8 mil) e Chevrolet Prisma (5,5 mil).
No acumulado do ano, a liderança também é do Onix (68,5 mil unidades), seguido por HB20 (55,9 mil), Ka (34,5 mil), Corolla e Gol (31,8 mil).
Na quarta-feira, a Anfavea divulgará dados de produção, exportações e empregos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia