Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 01 de julho de 2016. Atualizado às 19h54.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

01/07/2016 - 19h54min. Alterada em 01/07 às 19h54min

Petróleo fecha em alta com percepção de que Brexit só terá impacto a longo prazo

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta na sessão desta sexta-feira (1), com a percepção dos investidores de que os efeitos da saída do Reino Unido da União Europeia ainda vão demorar para serem verificados.
O WTI para julho negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex) fechou em alta de 1,36% (+US$ 0,66), a US$ 48,99 por barril. Já o Brent para setembro avançou 1,28% (+US$ 0,64), a US$ 50,35.
Durante a semana, o petróleo apresentou um comportamento misto dia após dia, ora impulsionado por dados sobre a oferta da commodity, ora pressionado por novos temores em relação ao Brexit. Hoje, muitos analistas de bancos afirmaram que a economia do Reino Unido é muito pequena e os impactos seriam pequenos demais para causar uma desaceleração econômica a ponto de abalar a demanda por petróleo.
"Nada vai mudar pelo menos nos próximos três a seis meses", afirmou Gene McGillian, gerente de pesquisa da Tradition Energy.
No âmbito dos indicadores sobre a oferta e a demanda da commodity, hoje a Baker Hughes, companhia que presta serviços no setor petroleiro, divulgou que o número de poços e plataformas de exploração de petróleo em atividade nos Estados Unidos subiu 11 na semana passada, para 341. O dado chegou a inverter o sinal do petróleo, mas não foi suficiente para que a commodity fechasse em queda.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia