Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 01 de julho de 2016. Atualizado às 18h09.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

01/07/2016 - 18h09min. Alterada em 01/07 às 18h09min

Bolsas sobem em Nova Iorque com expectativa de manutenção de políticas acomodatícias

As bolsas de Nova Iorque encerraram em alta nesta sexta-feira (1), no primeiro pregão do segundo semestre do ano, beneficiadas pela expectativa de que bancos centrais de todo o mundo manterão seus estímulos para impedir que a decisão do Reino Unido de deixar a União Europeia afete os mercados.
O volume de negócios, no entanto, foi limitado pela iminência do feriado de 4 de julho nos Estados Unidos, que se traduziu em volumes baixos de negociação nesta sessão. O Dow Jones fechou em alta de 0,11%, aos 17.949,37 pontos, o S&P 500 avançou 0,19%, aos 2.102,95 pontos, e o Nasdaq ganhou 0,41%, aos 4.862,57 pontos.
Investidores miram a perspectiva de que bancos centrais de todo o mundo continuarão inundando os mercados com liquidez para dar apoio à economia. Isso manteve em alta os mercados acionários no último pregão da semana. Essa opinião ficou mais concreta ontem, quando o presidente do Banco da Inglaterra (BoE), Mark Carney, sinalizou cortes de juros nas próximas reuniões para minimizar as consequências negativas do resultado do plebiscito da última semana.
Hoje, Stanley Fischer e Loretta Mester, do Federal Reserve, também pontuaram a necessidade analisar os impactos do divórcio na Europa antes de prosseguir com o plano de elevar juros nos EUA.
Apesar da alta, muitos investidores afirmam que os riscos de longo prazo continuam presentes, particularmente na Europa.
"Ainda é muito cedo para assumir que, simplesmente porque os mercados acionários se recuperaram, não há com o que se preocupar", disse Abi Oladimeji, estrategista-chefe da Thomas Miller Investment, em Londres.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia