Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 04 de julho de 2016. Atualizado às 16h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Notícia da edição impressa de 04/07/2016. Alterada em 03/07 às 21h43min

Silvicultor busca aprovação de marco legal

Ageflor prevê que instrumento trará mais competitividade e aportes

Ageflor prevê que instrumento trará mais competitividade e aportes


ANA PAULA APRATO/ARQUIVO/JC
Luiz Eduardo Kochhann
Considerado capaz de alavancar a silvicultura no Rio Grande do Sul, o marco legal do setor deve ser encaminhado à Assembleia Legislativa em breve. O documento, escrito ao longo dos últimos cinco anos por entidades como Associação Gaúcha de Empresas Florestais (Ageflor), Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul) e Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar (Fetag), entre outras, foi entregue ao governador José Ivo Sartori. A principal mudança, segundo os envolvidos, é a desburocratização do licenciamento ambiental.
De acordo com o presidente da Ageflor, Diogo Leuck, como o desenvolvimento das culturas florestais levam no mínimo cinco, na média, 10, e, em alguns casos, 25 anos, é essencial que seu regramento seja definido por lei. "O marco legal traz segurança jurídica, pois tem sido um problema fazer um planejamento em cima de normas administrativas que mudam conforme mudam as secretarias estaduais", destaca. A medida também aproximaria às regras gaúchas as de outros estados. "Deve nos trazer mais competitividade e, consequentemente, mais investimentos", completa Leuck.
Caso a legislação seja aprovada e sancionada, as políticas do setor, que antes cabiam à Secretaria do Meio Ambiente, passam a ser atribuição da Secretaria de Agricultura, assim como a gestão do Fundo de Desenvolvimento Florestal (Fundeflor). O licenciamento ambiental, entretanto, seguiria a cargo da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam). Os pequenos produtores, que representam 80% do setor, devem ser beneficiados com a diminuição dos custos de licenciamento, principalmente aqueles que já estão com áreas instaladas.
Outra demanda dos silvicultores diz respeito à liberação da compra de terras agrícolas a empresas estrangeiras, proibida desde 2010, após parecer da Advocacia-Geral da União (AGU). A pauta tem sido tratada pelo presidente interino Michel Temer e pelo ministro da Agricultura, Blairo Maggi, que se colocam a favor da liberação, assim como bancada ruralista na Câmara dos Deputados. Sem a proibição, as empresas de celulose, por exemplo, poderiam construir bases florestais próprias, o que é considerado essencial por investidores do setor.
Atualmente, companhias como a chilena CMPC Celulose Riograndense trabalham, principalmente, fomentando a atividade junto a proprietários rurais e garantindo a compra futura. A viabilização do projeto de uma nova planta, a CMPC admite, dependeria da viabilização da aquisição de terras. Segundo a Ageflor, o investimentos seriam localizados na Metade Sul do Estado. "Todas as empresas do setor compram do mercado, mas precisam um mínimo de base florestal própria para fazer a regulação da produção. Como as estrangeiras não podem comprar terra para ter estoque fica difícil instalar uma fábrica da região Sul ou na fronteira com a Argentina, onde seriam uma ótima alterativa para os produtores", explica Leuck.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Lena Annes 04/07/2016 15h13min
Faltou ouvir o outro lado, o de quem se preocupa com o meio ambiente e não apenas com os benefícios pela alteração da legislação. Essa proposição volta à mídia pelo ambiente desfavorável à preservação ambiental no RS e no país. Pobre do nosso Bioma Pampa.