Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 01 de julho de 2016. Atualizado às 14h42.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

01/07/2016 - 14h42min. Alterada em 01/07 às 14h42min

Governo não tem dinheiro para aportar na Eletrobras, diz secretário do MME

O governo não tem dinheiro para atender o pedido da Eletrobras de receber aporte da União de R$ 8 bilhões, segundo o secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia (MME), Eduardo Azevedo. "Em princípio não temos esse recurso. Está sendo avaliado se é essencial", afirmou, após participar do seminário "Brasil Solar Power 2016".
Segundo o secretário, a liberação do dinheiro só vai acontecer se o governo entender que não há outra alternativa para tirar a Eletrobras da crise, disse ele. "A melhor alternativa vai sair", complementou.
Por enquanto, está confirmado apenas que a empresa vai se desfazer de ativos, mas a receita que espera gerar com o desinvestimento ainda não está definida. De acordo com o secretário do MME, caberá ao novo presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Júnior, definir a estratégia da empresa e as áreas nas quais vai concentrar os seus negócios. Apenas depois dessa definição, será decidido o foco do desinvestimento.
"Eventualmente, algum (ativo) pode ser abandonado, algum comprado, outro vendido", disse Azevedo. Segundo o secretário, a Eletrobras poderia até mesmo aumentar participação acionária em alguns negócios se considerar estratégico. Mas as negociações não envolveriam dinheiro, apenas troca de ações. "Todas as oportunidades devem ser avaliadas", afirmou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia