Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 02 de agosto de 2016. Atualizado às 13h11.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Palavra do Leitor

Notícia da edição impressa de 28/07/2016. Alterada em 27/07 às 20h21min

Carga tributária

Li no Jornal do Comércio (26/07/2016, coluna Opinião Econômica, por Benjamin Steinbruch) importante colocação sobre o que deveria acontecer em nosso país. Lamentavelmente, nossos administradores públicos não aprenderam a fazer o dever de casa, simplesmente querem tirar de circulação através de impostos o que impulsiona a economia. Todo administrador inteligente procura gerir os recursos disponíveis, reduzindo gastos desnecessários. Infelizmente, no poder público é diferente, dá-se aumentos a quem já ganha demais, troca de favores com o dinheiro que deveria ser aplicado em educação, segurança e saúde. Até quando devemos suportar essa imensa carga tributária? Que tipo de democracia é essa? Por que tantos CCs se não tem como pagar? Por que tantos penduricalhos? (Bruno Pedro Rech, contador e administrador, Sarandi/RS)
Novas eleições
As pesquisas apontaram nos últimos dias que a maioria da população não quer saber da presidente afastada Dilma Rousseff (PT) nem do seu ex-aliado, o presidente interino Michel Temer (PMDB). A ficha caiu rápido e o povo percebeu que as duas figuram representam duas faces da mesma moeda. Os dois meses de Temer bastaram para provar que sua gestão é uma cópia da de Dilma: escândalos de corrupção, barganhas e, claro, muito ajuste fiscal. Dilma caiu antes operar sua reforma da Previdência, que nas mãos do seu vice já é quase uma realidade. A Selic continua nas alturas, com o Brasil liderando o pagamento de juros aos bancos - no ano passado foram mais de R$ 501 bilhões. O loteamento de ministérios em troca de apoio segue a todo vapor. Aliás, as peças seguem as mesmas: Eliseu Padilha (PMDB), Gilberto Kassab (PSD), e Geddel Vieira Lima (PMDB), por exemplo, estiveram na Esplanada com a petista. É hora de chamar quem paga a conta por essa crise que favorece os de cima e castiga os de baixo: o povo! A solução para a crise é convocar a população para que ela decida. Novas Eleições Já! (Marcos Adriano Prestes)
Táxis e Uber
Concordo plenamente com o leitor Ramiro Nunes de Almeida Filho (Táxis e Uber, Jornal do Comércio, 27/07/2016), inclusive acho que está na hora de esclarecer: concessão de placas é para uma ou duas pessoas trabalharem, há empresários que possuem dezenas e alugam a R$ 250,00 a diária para quem quiser trabalhar, por isso os táxis são tão caros. (Paulo Aronna, representante comercial)
Terrorismo
Até que ponto as pessoas que praticam atos terroristas, como o de Nice, na França, e os que aqui no Brasil foram descobertos - felizmente - para matar nas Olimpíadas têm saúde mental? Matam pelo prazer de matar e em nome de Deus, algo inconcebível. A França, mesmo que tenha sido colonialista no norte da África e no Oriente Médio, está pagando o pato pela revolta do mundo árabe contra o preconceito que sofre há dezenas de anos. (Maria Luiza Neurer, Porto Alegre)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Jorge 02/08/2016 12h03min
Sugestões para Reforma Tributária e Administrativa.n"Destinar a cada Unidade da Federação os recursos necessários para atender adequadamente as suas atribuições".nExemplo:nUnião - IMOF (Imposto sobre Movimentações e Operações Financeiras).nEstados - IVEPS (Imposto sobre a Venda de Produtos e Serviços).nMunicípios - IBI (Imposto sobre Bens Imóveis).nSimplifica o sistema tributário e otimiza a administração pública.n