Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de julho de 2016. Atualizado às 12h29.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Patrícia Knebel

Mercado Digital

Notícia da edição impressa de 14/07/2016. Alterada em 13/07 às 21h13min

O software livre e a hiperconectividade


TARLIS SCHNEIDER /DIVULGAÇÃO/JC
Em no máximo duas décadas, haverá uma hegemonia no mundo da lógica do padrão aberto, e é a Internet das Coisas (IoT) que vai fazer com que essa profecia seja cumprida. A aposta é do coordenador da Associação Software Livre e organizador do Fisl 7, Sady Jacques. Tema principal dos debates do evento, que acontece nesta semana em Porto Alegre, a IoT é apenas um dos pilares da transformação digital que as empresas estão vivendo. Cloud, mobilidade e Big Data também estão no centro dessa revolução da hiperconectividade, que exige diálogo total entre linguagens, ferramentas e appliances. "Não há player de mercado com capacidade de desenvolver tecnologias e integrá-las de forma plena sem usar um padrão aberto e software livre. Essa será a base da revolução tecnológica que vamos viver na próxima década", acrescenta. O risco de se viver em um mundo cada vez mais conectado é, justamente, a dependência do acesso à conectividade, que hoje é realidade de apenas 10% a 15% da população global. Isso vai aumentar o abismo de exclusão digital que existe na sociedade e menos que, aponta Jacques, o software livre seja ativado. "O custo para disponibilizar conectividade para as pessoas e empresas é altíssimo, mas pode ser sensivelmente reduzido a partir da adoção massiva do software livre", defende.
Aceleração
Empresas com ideias inovadoras e capazes de resolver problemas reais com criatividade estão na mira da Wow, uma das principais aceleradoras de startups do País, com sede em Porto Alegre. Cinco novas startups devem ser selecionadas na nova rodada de investimentos. As inscrições estão abertas no site www.wow.ac até o dia 25 de setembro.
Tecnologia gaúcha no México
Tem tecnologia gaúcha no Complexo Petroquímico da Braskem no México, inaugurado em junho e fruto de uma parceria com a mexicana Idesa, para produção de eteno e polietileno. Desde 2010, o Centro de Tecnologia e Inovação (CTI) da Braskem em Triunfo vem desenvolvendo, em parceria com integrantes da equipe mexicana, uma série de testes em escala piloto dos produtos que mais se encaixariam para os clientes e mercado da América do Norte. Isso inclui as grades de polietileno de alta densidade utilizados na produção de sacolas plásticas, frascos para cosméticos e produtos de limpeza, caixas d'água e tanques de combustível.
App
O cardápio e a telentrega da Petiskeira, uma das principais empresas de gastronomia rápida do Estado, estão acessíveis agora nos smartphones. E lá se foram mais de 2 mil downloads somente nos primeiros 10 dias. Uma das novidades é o Pague a sua Conta, que permite aos usuários cadastrados efetuarem o pagamento com cartão de crédito nos restaurantes da rede sem a necessidade de enfrentar filas.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
DANIEL TIETBOHL HOFFMANN 14/07/2016 11h58min
Eu não quero fazer um comentário, mas quero te pedir uma dica. Sou assinante a vários anos do jornal e considero esta publicação de excelente qualidade, principalmente pelos ótimos colunistas. Eu tenho uma imobiliária e não estou satisfeito com a empresa que administra meu google adwords e meu facebook ads. Você pode me indicar alguém bom e confiável para me dar esta assessoria? Desde já meu muito obrigado.