Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 21 de julho de 2016. Atualizado às 21h59.

Jornal do Comércio

Viver

COMENTAR | CORRIGIR

musical

Notícia da edição impressa de 22/07/2016. Alterada em 21/07 às 18h59min

Nova versão do musical Gota d'água chega a Porto Alegre

Laila Garin vive Joana em nova versão do musical Gota d'água

Laila Garin vive Joana em nova versão do musical Gota d'água


ANNELIZE TOZETTO /DIVULGAÇÃO/JC
Michele Rolim
Há mais de 40 anos, Paulo Pontes e Chico Buarque transferiram a tragédia Medeia, de Eurípedes, para um conjunto habitacional do subúrbio carioca dando origem ao musical Gota d'água. Os personagens centrais, Joana e Jasão, estavam representados por Bibi Ferreira e Roberto Bomfim.
A nova versão - que ganhou um acréscimo no título, "a seco" -, busca chegar à essência da história, colocando uma lupa na relação dos protagonistas, Joana e Jasão, representados por Laila Garin (de Elis - a musical) e Alejandro Claveaux (revelado no projeto Clandestinos) acompanhados durante todo o espetáculo pelo quinteto de músicos formado por Antônia Adnet, Dudu Oliveira, Elcio Cáfaro, Marcelo Muller e Pedro Silveira. Gota d'água (a seco) pode ser vista nesta sexta-feira e sábado, às 21h, e domingo, às 20h, no Teatro Bourbon Country (Tulio de Rose, 80).
Com adaptação e direção de Rafael Gomes (de Música para cortar os pulsos e Um bonde chamado desejo) e direção musical de Pedro Luís (da banda Pedro Luís e a Parede), a peça busca aproximar o público de uma política cotidiana, mostrando não somente o embate amoroso, que está no cerne da trama do casal, mas também o social, em um sentido mais amplo.
"São as batalhas internas a que as circunstâncias externas nos sujeitam. Jasão no conflito entre o que está ganhando e o que está deixando para trás, assim como Joana na decisão entre ir às últimas consequências para se vingar ou simplesmente seguir vivendo", comenta o diretor.
Esse é o primeiro espetáculo que Gomes dirige fora de sua companhia, a Empório de Teatro Sortido, de onde trouxe alguns colaboradores para esta montagem, como o cenógrafo André Cortez e o iluminador Wagner Antônio. O diretor foi convidado pela produtora Andréa Alves, da Sarau Agência, e por Laila Garin para embarcar no projeto.
Apesar no enfoque da relação amorosa de ambos, é mantida a estrutura formal da peça e inserida novas canções como Pedaço de mim, Mulheres de Atenas e Baioque, entre outras, além de pequenas citações de letras de Chico em algumas passagens do texto. Também houve a preocupação que as músicas fizessem parte de uma necessidade dramatúrgica.
A tragédia de Medeia - personagem mitológica que assassina os próprios filhos quando é abandonada por Jasão - ganha um outro olhar na visão feminina, segundo a atriz. "Na nossa versão atualizamos questões referentes à mulher. Ela reivindica atitudes de Jasão, não porque uma mulher não pode viver sozinha, e sim porque um pai não pode abandonar os filhos, e também porque para ela, uma pessoa não pode passar por cima de outras para conseguir o poder", diz Laila, acrescentando que o musical ganhou outra potência no contexto político atual.
A artista explica que também houve uma preocupação de tentar humanizar ambos os personagens, e dessa forma, aproximar o público da história. "Ao invés de você olhar de longe e dizer, ela é uma louca e extremada, como faz isso? Ou então achar que ele é uma pessoa sem valor algum, já que é capaz de abandonar a família. O nosso desejo era defender o ponto de vista de ambos e que o espectador pudesse se identificar com os dois", lembra Laila.
Para isso, é mostrado o amor que existia antes dessa relação chegar ao extremo. "Na vida nós estamos em uma posição, ora de Joana, ora de Jasão. Talvez seja cruel com o público que vê como um amor pode chegar aquele ponto." E completa: "Mas essa é a função da tragédia, mostrar como ódio e paixão desmedida pode levar a determinadas situações", conta ela, afirmando que apesar disso, a peça mantém um tom "leve" por mesclar o político com a estética proposta em cena.

Gota d’água [a seco]

  • No Teatro Bourbon Country (Tulio de Rose, nº 80), sexta e sábado, às 21h, e domingo, às 20h.
  • Ingressos de R$ 100,00 a R$ 150,00
  • Duração: 90 minutos
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia