Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 27 de julho de 2016. Atualizado às 20h34.

Jornal do Comércio

JC Logística

COMENTAR | CORRIGIR

Petróleo

Notícia da edição impressa de 28/07/2016. Alterada em 27/07 às 17h40min

Propina na Sete Brasil seguia a da Petrobras

O ex-presidente da Sete Brasil João Carlos Ferraz afirmou que a divisão das propinas recebidas de estaleiros contratados pela empresa era uma réplica do esquema que já existia na Petrobras. Ele prestou depoimento na semana passada ao juiz federal Sérgio Moro, na 13ª Vara Federal de Curitiba, em acordo de delação premiada acertado com o Ministério Público Federal (MPF) dentro da Operação Lava Jato.
A Sete Brasil foi criada pela Petrobras para explorar o petróleo na camada pré-sal. Ferraz presidiu a empresa de 2010 a 2014 e é acusado de ter recebido propina. Ferraz falou sobre a divisão de propinas ao ser indagado por Moro sobre o motivo de os executivos da Petrobras também receberem parte das propinas decorrentes dos contratos firmados pela Sete Brasil.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia