Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 31 de julho de 2016. Atualizado às 18h36.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

tecnologia

Notícia da edição impressa de 01/08/2016. Alterada em 29/07 às 18h14min

Clientes na mira do Big Data

Monitorar as preferências dos clientes ajuda a estimular as vendas

Monitorar as preferências dos clientes ajuda a estimular as vendas


NEC CORPORATION OF AMERICA VIA VISUALHUNT /DIVULGAÇÃO/JC
Da compra on-line na rede varejista de fast-fashion aos hábitos de consumo do cliente ao celular, passando pela escolha da série preferida para assistir no fim de semana, nada disso passa despercebido. Um número cada vez maior de empresas brasileiras usa o gigantesco volume de dados gerados por dispositivos digitais, o chamado Big Data, para conhecer melhor seu cliente e traçar estratégias de atuação. A consultoria IDC projeta que, neste ano, esse mercado movimente R$ 3,2 bilhões no País - mais do que o triplo do R$ 1 bilhão de 2013.
Nessa investigação com lupa sobre hábitos de consumo, assuntos tratados em e-mails, comentários em redes sociais, pesquisas de preços, cadastros em programas de fidelidade, simples buscas no Google e a escolha de um canal de TV se tornam fonte de informação. Devidamente processados, estes dados podem impulsionar vendas e reduzir os gastos das empresas.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia