Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de junho de 2016. Atualizado às 00h21.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara de Porto Alegre

Notícia da edição impressa de 24/06/2016. Alterada em 23/06 às 23h44min

Ônibus divulgarão disque-denúncia contra a violência às mulheres

Juliana Mastrascusa, especial para o JC
Os vereadores de Porto Alegre aprovaram, nesta quinta-feira, o projeto que estabelece a divulgação dos números de telefone gratuitos para denúncias sobre violência contra a mulher no interior dos ônibus da Capital. A proposta da vereadora suplente e ex-secretária de Políticas para as Mulheres do Estado Ariane Leitão (PT) foi aprovada com 18 votos, por unanimidade.
Para Sofia Cavedon (PT), o projeto gera uma postura preventiva nos casos de violência doméstica e estimula que a população também denuncie o que ocorre em sua vizinhança, por exemplo. "Muitas vezes, problemas que parecem pequenos se tornam uma violência brutal." Fernanda Melchionna (P-Sol) também elogiou a proposta e lembrou que muitos casos de agressões contra mulheres não são sequer notificados.
No Rio Grande do Sul, existe o telefone da Rede Lilás (0800-541-0803), ligado a um conjunto de órgãos públicos, como os Centros de Referência à Mulher (CRM) e Delegacia da Mulher (Deam), que constituem a rede de atendimento. Em Porto Alegre também há, desde 2013, o Disque-Violência (0800-6420100), que atende em horário comercial. "Quando as mulheres são estimuladas a denunciar, ocorre um significativo aumento na busca por ajuda pelas vítimas de violência e de denúncias pela população em geral", defende Ariane em sua proposta.
Segundo a ex-secretária, é importante publicizar os canais de denúncia, para incentivar as vítimas e a sociedade. Hoje, até 90% das mulheres desistem do processo contra o agressor.
Durante a discussão da matéria, Fernanda Melchionna e outras parlamentares reclamaram da falta de posicionamento dos colegas homens. Alguns se retiraram do plenário enquanto as falas eram feitas na tribuna. Se manifestaram os vereadores Adeli Sell (PT), Carlos Comassetto (PT) e Marcelo Sgarbossa (PT).
Ainda foi aprovado na sessão o projeto da ex-vereadora e hoje deputada estadual Any Ortiz (PPS) que prevê a inclusão de discussões sobre educação financeira nos currículos das escolas municipais de Ensino Fundamental e Médio. A proposta foi abraçada pelo vereador Mendes Ribeiro (PMDB), que apresentou duas emendas à matéria. Com o parecer favorável dos parlamentares, poderão ser abordados em sala de aula aspectos como planejamento financeiro, princípios contábeis e economia monetária, fiscal e de capitais.
Segundo a defesa do projeto, o comportamento financeiro dos brasileiros é avaliado com nota seis, em uma escala até 10. "Esse indicador mostra que o consumidor gasta mais do que ganha, não guarda dinheiro e não planeja o futuro", justifica Any.
Assim como na votação sobre a inclusão do ensino da história do Orçamento Participativo, as bancadas do PT e do P-Sol se colocaram favoráveis à discussão nas escolas, mas contra a obrigação através do projeto. Segundo Prof. Alex Fraga (P-Sol), a comunidade escolar deve decidir o que é pertinente ou não ser estudado além das diretrizes nacionais de educação. A proposta foi aprovada em votação simbólica.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia