Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 14 de junho de 2016. Atualizado às 15h12.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara dos Deputados

14/06/2016 - 13h32min. Alterada em 14/06 às 15h12min

Tia Eron quer falar em sessão do Conselho de Ética para se explicar aos colegas

 Dimensões máximas: 25,44 x 16,66 cm em 200 dpi    deputada tia Eron

Tia Eron não compareceu à sessão da semana passada e há dúvidas se ela vai ajudar a salvar o deputado afastado Eduardo Cunha


GUSTAVO LIMA/CÂMARA DOS DEPUTADOS/JC
Considerada voto de minerva no Conselho de Ética da Câmara, a deputada Tia Eron (PRB-BA), pediu para que assessores procurassem na manhã desta terça-feira (14) a secretaria do colegiado para solicitar que ela use o tempo de líder na sessão da tarde para se explicar aos colegas. Tia Eron não compareceu à sessão da semana passada e há dúvidas se ela vai ajudar a salvar o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) do pedido de cassação do mandato.
A sessão desta terça do Conselho de Ética está marcada para votar o parecer do deputado Marcos Rogério (DEM-RO) no processo contra Cunha. Como adiantou na segunda-feira o Broadcast Político (serviço de notícias em tempo real da Agência Estado), Marcos Rogério foi sondado sobre a possibilidade de aceitar o aditamento que pode ser feito pelo PSOL ou pela Rede - partidos que são autores da representação contra Cunha.
O relator é contra essa complementação por considerar que seu relatório já traz provas suficientes que comprovam a quebra do decoro parlamentar.
Há possibilidade desses partidos incluírem no pedido de aditamento a delação premiada do ex-vice-presidente da Caixa Fábio Cleto, o depoimento da mulher de Cunha, Cláudia Cruz, e o documento do Banco Central informando sobre a multa aplicada a Cunha de R$ 1 milhão por omissão de contas no exterior. O pedido de aditamento pode ser feito até antes do início da votação do parecer.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia