Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 13 de junho de 2016. Atualizado às 23h06.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

câmara dos deputados

Notícia da edição impressa de 14/06/2016. Alterada em 13/06 às 22h47min

Deputado nega ter discutido renúncia com parlamentares

Afastado da presidência da Câmara e na iminência de ter o parecer que pede sua cassação julgado pelo Conselho de Ética, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) negou, por meio das redes sociais, ter sido procurado por parlamentares com recomendações para renunciar ao mandato. No Twitter, Cunha disse que ninguém, "nem do governo, nem da Câmara", o procurou "com essa finalidade".
Cunha rebateu reportagem do jornal "O Estado de S.Paulo" desta segunda-feira, que narrou o encontro de dois parlamentares do Centrão com o presidente da Câmara afastado. Segundo a reportagem, Cunha se descontrolou ao ouvir o conselho para renunciar e reagiu "aos gritos". Horas depois da publicação, Cunha publicou na internet as mensagens: "Simplesmente não fui procurado por nenhum parlamentar sugerindo renúncia".
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia