Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 09 de junho de 2016. Atualizado às 14h02.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

09/06/2016 - 14h02min. Alterada em 09/06 às 14h02min

Imóveis de Alberto Youssef vão a leilão com redução de 50% no valor

Quatro imóveis do doleiro Alberto Youssef, um dos delatores da Operação Lava Jato, vão novamente a leilão judicial, determinado pelo juiz federal Sérgio Moro, da 13° Vara Federal de Curitiba, na próxima segunda-feira. No último dia 30 de maio, um imóvel no Rio e três em Salvador haviam terminado o pregão sem lances.
No novo leilão, os imóveis terão redução de 50% do valor inicial avaliado, chegando a cerca de R$ 3 milhões. A venda será realizada exclusivamente por meio da plataforma online de leilões Superbid Judicial.
Um dos bens de Youssef, no bairro de São Cristóvão, no Rio, é um complexo de cinco imóveis, de área total aproximada de 1.620m². O lance inicial é de R$ 1,5 milhão.
No pregão, estarão ainda nove lotes, em Salvador, sendo oito fatias de 4% e uma de 5,23%, do imóvel comercial Web Hotel Salvador, parte do Condomínio Alfazema, Pituba, com lance inicial de cerca de R$ 167 mil e R$ 220 mil, respectivamente.
De acordo com Afonso Marangoni, leiloeiro oficial da Superbid Judicial e responsável pela condução do pregão, o mecanismo dos leilões judiciais faz com que as vendas sejam mais corriqueiras em segunda praça.
"O comprador experiente, que conhece o procedimento dos leilões judiciais, já sabe que haverá uma porcentagem significativa de redução no valor de avaliação dos ativos. Por isso, sempre temos a maioria das vendas acontecendo em segunda praça, a não ser que as ofertas de primeira praça sejam inúmeras vezes mais atrativas que o valor de mercado do bem", explica.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia