Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de junho de 2016. Atualizado às 18h47.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

novo governo

07/06/2016 - 18h47min. Alterada em 07/06 às 18h47min

Meirelles faz 'visita de cortesia' a Lewandowski

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta terça-feira (7), que a crise econômica foi gerada pela questão fiscal e será solucionada pela mesma via. "Se medidas forem aprovadas no tempo que esperamos que sejam pelo Congresso, certamente o Brasil voltará a crescer dentro do potencial que merece", disse.
O ministro fez as declarações após sair de um encontro com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski. Meirelles disse que foi "uma visita de cortesia", para apresentar a nova equipe econômica. Os dois também falaram sobre a situação fiscal do País.
"Conversamos sobre essa nova meta de 2016, de (déficit de) R$ 170,5 bilhões. Conversamos também sobre a proposta de colocação de um teto para as despesas públicas, (com crescimento) limitado à inflação de cada ano", disse Meirelles ao sair do breve encontro, na sede do STF. "O que existe apenas é um processo de limitar o aumento das despesas públicas que siga numa trajetória insustentável ao País, juros cada vez mais elevados, e que continue gerando a recessão e o desemprego em que estamos. É um projeto para retomar a confiança do País", acrescentou.
O ministro da Fazenda disse, no entanto, que não tratou com Lewandowski do reajuste dos servidores nem do reajuste do Judiciário. "Esse assunto está sendo tratado pelo presidente Temer", afirmou.
Meirelles disse ainda que vai ter um encontro preliminar com os secretários de Fazenda estaduais para tratar da questão da dívida dos Estados na próxima quinta-feira. Depois, pretende se reunir com os governadores. Só então uma contraproposta do governo federal deve ser formulada. "A partir daí teremos proposta final, visando a evitar problemas futuros como esse. Queremos limitar a ocorrência desse tipo de situação", concluiu o ministro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia