Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 06 de junho de 2016. Atualizado às 17h01.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

saúde

06/06/2016 - 16h37min. Alterada em 06/06 às 17h01min

Temer determina permanência de avião à disposição para transporte de órgãos

Presidente Interino Michel Temer durante coletiva de imprensa

Presidente Interino Michel Temer durante coletiva de imprensa


Marcos Corrêa/PR/JC
Agência Brasil
O presidente interino Michel Temer anunciou hoje (6) que vai determinar à Aeronáutica a manutenção permanente de um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) à disposição para o transporte de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para transplante.
De acordo com Temer, que fez breve pronunciamento à imprensa há pouco, no Palácio do Planalto, as informações de que não havia uma aeronave exclusiva para este fim causa "tristeza cívica" e o número de órgãos que deixaram de ser transportados é "preocupante".
Ele informou que assinou, em concordância com a Aeronáutica, um decreto que será publicado nesta terça-feira (6), determinando que "se mantenha permanentemente um avião no solo à disposição de qualquer chamado para transporte desses órgãos"
Matéria publicada ontem (5) pelo jornal O Globo, diz que entre 2013 e 2015 a FAB deixou de fornecer aviões para o transporte de um total de 153 órgãos, como corações, fígados, pulmões, pâncreas, rins e ossos, que se perderam por conta das negativas de transporte.
De acordo com o jornal, nos mesmos dias em que ocorreram recusas de transporte de órgãos, a Aeronáutica atendeu a requisições de voos para ministros do Executivo e presidentes da Câmara e do Senado. O levantamento foi obtido pelo O Globo com base na Lei de Acesso à Informação.
"Ou, ainda, se for para transportar paciente para local onde está o órgão. Não haverá mais, a partir de agora, esta deficiência", afirmou Temer.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia