Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de dezembro de 2016. Atualizado às 15h44.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 10/06/2016. Alterada em 27/12 às 16h49min

Petrobras, pré-sal e interesses duvidosos

Gilberto Gustavo Wagner
Tenho lido e observado "minguadas" publicações sobre a extinção do direito da Petrobras de participar, obrigatoriamente, da exploração do pré-sal. Embora o assunto seja de alta relevância aos interesses nacionais, não o tenho visto e encontrado entre as grandes manchetes jornalísticas nacionais, para que a grande maioria da população brasileira seja alertada sobre o tema e suas consequências.
Por outro lado, encontramos nesta mesma imprensa, assim como na internacional, notícias de conflitos entre países por motivos econômicos, financeiros, e até mesmo armados, estes últimos ceifando vidas humanas. Todos esses conflitos têm, na verdade, como pano de fundo a posse, a propriedade e a exploração do "ouro negro", ou seja, do petróleo. Ainda ecoa, de Norte a Sul de nosso País, o brado do século passado: "O petróleo é nosso!" Tal brado, esse "grito de guerra", foi provavelmente um dos principais motivos que abalaram o Palácio do Catete, em 1954, na época, sede do governo brasileiro.
Vejo como lamentável e preocupante a ideia de excluírem a obrigatoriedade da participação da Petrobras nas explorações do pré-sal, manifestada por alguns "brasileiros", figuras políticas, que integram grandes partidos políticos, siglas altamente interessadas em chegar ao poder central do País. Absolutamente, entendo que não podemos ceder "um centímetro" sequer nessa questão, favorecendo interesses internacionais, com o que criaríamos prerrogativas que poderão custar muito caro para o futuro da nação e para seu povo. Precisamos ficar atentos, porque as "aves de rapina" que sempre estiveram nas sombras em momentos difíceis deste País podem estar de volta.
Aposentado, advogado, Barra do Ribeiro/RS
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia