Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 28 de junho de 2016. Atualizado às 22h37.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Turquia

Notícia da edição impressa de 29/06/2016. Alterada em 28/06 às 20h39min

Atentado deixa pelo menos 32 mortos em Istambul

Terroristas detonaram explosivos antes de passar pelo raio-x de aeroporto

Terroristas detonaram os explosivos antes de passar pelo equipamento de raio-X


HANDOUT /AFP/JC
Duas explosões atingiram ontem o aeroporto Ataturk, em Istambul, na Turquia. Segundo o ministro da Justiça do país, Bekir Bozdag, pelo menos 32 pessoas morreram e 60 ficaram feridas. "De acordo com a informação que me passaram, um terrorista abriu fogo na entrada internacional do terminal com uma AK-47 e depois se explodiu", disse Bozdag.
A suspeita é de que três homens-bomba se explodiram após troca de tiros com forças de segurança do aeroporto. Uma testemunha disse que tiros foram ouvidos em um estacionamento do local. Segundo as autoridades, eles detonaram os explosivos antes de passar pelo equipamento de raio-x.
Há vários meses, a Turquia se encontra em estado de alerta por uma série inédita de atentados atribuídos ao Estado Islâmico (EI) ou relacionados com o reinício do conflito curdo. O último grande ataque a Istambul ocorreu no dia 7 de junho, quando ao menos 11 pessoas morreram - sete policiais e quatro civis - e mais de 36 ficaram feridas pela explosão de um carro-bomba em um bairro histórico da cidade. Antes, dois atentados suicidas atribuídos ao EI já haviam sido registrados em áreas turísticas de Istambul.
Em 19 de março, um homem-bomba atacou uma via comercial e matou quatro turistas estrangeiros. Em janeiro, outro atentado matou 12 turistas no Centro da cidade. Quando os ataques miram as forças de segurança, as autoridades os atribuem aos rebeldes curdos, que lutam contra o Exército turco no sudeste do país.
Os atentados abalaram o setor de turismo na Turquia, com um declínio do número de visitantes de 28% em abril deste ano na comparação com o mesmo mês de 2015. A queda mensal foi a maior em 17 anos e preocupa o governo.
A Turquia, membro da Otan (aliança militar ocidental) e da coalizão liderada pelos EUA que luta contra o EI no Iraque e na Síria, havia intensificado as operações contra a facção na região norte da Síria, onde os extremistas controlam muitas áreas próximas à fronteira. De acordo com analistas, isso deixa o país mais vulnerável ao risco de atentados.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia