Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 26 de junho de 2016. Atualizado às 17h35.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

argentina

26/06/2016 - 17h35min. Alterada em 26/06 às 17h35min

Em seis meses, desaprovação do governo Macri sobe quase 20%

Agência O Globo
Em seu primeiro mês de governo, o presidente da Argentina, Mauricio Macri, foi beneficiado por uma onda de otimismo pós eleitoral, que reduziu a taxa de desaprovação de sua gestão a apenas 25%. Hoje, seis meses depois, o percentual subiu para 43%, de acordo com pesquisa da empresa de consultoria Poliarquia, publicada neste domingo pelo jornal "La Nación". No mesmo período, o índice de aprovação ao governo Macri caiu 15 pontos percentuais, ficando em 56%.
"A sociedade avalia de forma crítica e com grande preocupação a atual conjuntura, mas, ao mesmo tempo, mantém expectativas elevadas em relação ao futuro", comentou o diretor da Poliarquia, Alejandro Catterberg.
De fato, a mesma pesquisa mostrou que 58% dos argentinos acreditam que a situação do país melhorará num prazo de um ano.
Macri pretendia começar a mostrar resultados positivos a partir do segundo semestre deste ano, mas tudo parece indicar que a economia, principal preocupação da população, só se reativará a partir de 2017. Nos primeiros seis meses do ano, a inflação acumulada chega a quase 25% e o país deverá terminar o ano com uma taxa superior a 40%.
Alguns gestos do presidente foram bem recebidos pela população, como sua decisão de repatriar um depósito de 18 milhões de pesos (cerca de US$ 1,2 milhão) que tinha nas Bahamas. Macri também deixou quase a metade de seu patrimônio, em torno de 44 milhões de pesos (US$ 3,1 milhão), em mãos de uma firma privada que o administrará durante sua Presidência, sem que o chefe de Estado tenha qualquer interferência na administração do dinheiro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia