Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 23 de junho de 2016. Atualizado às 21h59.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Venezuela

23/06/2016 - 21h59min. Alterada em 23/06 às 21h59min

Reunião da OEA sobre Venezuela termina sem definir medidas contra o país

Agência Brasil
A Organização dos Estados Americanos (OEA) concluiu nesta quinta-feira (23), em Washington, sessão extraordinária de seu Conselho Permanente sobre a Venezuela sem decidir sobre as medidas a serem aplicadas contra o país, com base no artigo 20 da Carta Democrática Interamericana. A reunião para discutir o assunto tinha sido solicitada pelo secretário-geral da entidade, Luis Almagro, em maio desse ano.
Durante a reunião, Almagro leu aos representantes dos 34 países-membros da organização relatório de 132 páginas sobre o que ele classifica como "alteração da ordem constitucional" na Venezuela. Segundo ele, a situação atual no país "é resultado das ações que foram realizadas e seguem sendo realizadas por quem está no poder". "O enfrentamento entre poderes na Venezuela causou o fracasso do sistema político e uma crise de governabilidade
Segundo Almagro, o conselho da entidade deveria apoiar o chamado ao referendo revogatório do mandato de Nicolás Maduro como presidente do país. "A Venezuela poderia e deveria ser um dos países mais prósperos e influentes da região, mas é um Estado assolado por corrupção, pobreza e violência", afirmou Almagro.
A representante da Venezuela na reunião, a chanceler Delcy Rodriguez, disse que o secretário-geral da OEA "usa seu cargo para promover um golpe de Estado na Venezuela". Segundo ela, a OEA está vivendo um período "muito perigoso". Ela acrescentou que Almagro "está dando um golpe de Estado nesta organização e está promovendo, com a oposição venezuelana, um golpe de Estado na Venezuela".
Além da Venezuela, Equador e Bolívia se pronunciaram contra o relatório de Almagro. A próxima reunião da OEA para discutir a questão da Venezuela ainda não tem data definida.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia