Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de junho de 2016. Atualizado às 11h08.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Reino Unido

Notícia da edição impressa de 24/06/2016. Alterada em 24/06 às 11h08min

Pesquisa Ipsos indica permanência do Reino Unido na União Europeia

Levantamento mostra que 52% deverão optar pela continuidade

Levantamento mostra que 52% dos britânicos deverão optar pela continuidade no bloco europeu


LEON NEAL/AFP/JC
A pesquisa mais recente sobre intenções de voto no Reino Unido sobre sua permanência ou não na União Europeia (UE), realizada por meio de um plebiscito nesta quinta-feira, mostra vantagem da corrente pró-Europa. A votação teve início às 3h (de Brasília), e o resultado do plebiscito era esperado para depois da meia-noite.
O levantamento, realizado pela Ipsos Mori por encomenda do jornal London Evening Standard, indica que 52% dos eleitores britânicos deverão optar pela continuidade do Reino Unido no bloco europeu, contra 48% que declararam ser a favor do Brexit, ou seja, da exclusão do país da União Europeia. Outras duas pesquisas divulgadas anteriormente, da ComRes e do YouGov, também mostraram vitória do voto pró-Europa.
Nesta quinta-feira, a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, fez um apelo de última hora para que o Reino Unido permaneça na UE. "É claro que desejamos uma decisão, que obviamente será tomada pelos cidadãos britânicos, na qual o Reino Unido continue fazendo parte do bloco", disse Merkel.
Ao ser perguntada se membros fundadores da UE deverão seguir adiante e discutir o futuro do bloco, Merkel destacou que o grupo deve permanecer como antes. "As consultas devem continuar, se possível, com 28 países-membros, ou com 27 estados, mas minha esperança é que continuemos sendo 28 integrantes", afirmou a chanceler. "Eu não defendo o estabelecimento de subgrupos agora."
Segundo Merkel, o Conselho Europeu vai se reunir na terça e quarta-feira da próxima semana, o que dará oportunidade suficiente para consultas conjuntas e "calmas" discussões sobre "como continuaremos implementando nossa agenda".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia