Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 23 de junho de 2016. Atualizado às 13h01.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

reino unido

23/06/2016 - 13h01min. Alterada em 23/06 às 13h01min

Brexit é uma ameaça para Itália e economia pode encolher até 0,5%, afirma FMI

Se a votação no Reino Unido apontar para uma saída do país da União Europeia (UE), o Produto Interno Bruto (PIB) da Itália poderia encolher até 0,5% no longo prazo, disse o diretor-executivo do Fundo Monetário Internacional (FMI), Carlo Cottarelli, em uma entrevista à rádio italiana Radio1 Rai, nesta quinta-feira (23).
Segundo Cottarelli, uma vitória do Brexit (termo designado para a saída) poderia criar muita incerteza nos mercados financeiros. "É essa incerteza que devemos nos preocupar", disse ele.
Mercados financeiros instáveis se transformariam em ventos contrários mais fortes para países com elevada dívida pública, como a Itália, acrescentou Cottarelli.
"O fato de o Reino Unido não fazer parte da zona do euro deve limitar o impacto", disse Cottarelli. "Mas nós vimos no passado que os mercados financeiros nem sempre usam a racionalidade para interpretar eventos. Às vezes, situações com impactos limitados aparentemente têm determinado uma reação em cadeia e danos muito graves", destacou.
Cottarelli disse que poderia haver também consequências políticas se o "Brexit" ganhar. "Outros países, como a Holanda, em particular, poderiam amadurecer a mesma ideia. Eles poderiam pensar em um plebiscito".
Tais consequências políticas, bem como a instabilidade nos mercados, são também os mais altos interesses para os Estados Unidos, disse Cottarelli. "Os EUA estão preocupados com um impacto, mesmo que não seja enorme, sobre o crescimento na Europa", acrescentou ele.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia