Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de junho de 2016. Atualizado às 00h06.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

união europeia

Notícia da edição impressa de 22/06/2016. Alterada em 21/06 às 19h50min

A dois dias de plebiscito, britânicos seguem divididos sobre saída da UE

Primeiro-ministro David Cameron faz campanha pela permanência

Primeiro-ministro David Cameron faz campanha pela permanência no bloco europeu


ADRIAN DENNIS/AFP/JC
Os britânicos vão às urnas amanhã votar no plebiscito Brexit, que vai decidir se o Reino Unido permanece ou não na União Europeia (UE). O resultado deve ser divulgado nas primeiras horas do dia seguinte. O nome Brexit faz referência ao termo exit (saída em inglês) e as iniciais de Britain (Grã-bretanha).
A tão pouco tempo do votação, a disputa entre os que querem a permanência e quem defende a saída da UE é acirrada. Pesquisas de opinião que estão sendo feitas apresentam resultados controversos. De acordo com uma sondagem realizada pelo site britânico YouGov, 42% dos entrevistados querem permanecer no bloco, enquanto 44% apoiam a saída da UE. Outro estudo de opinião, da agência Survation, mostra tendência inversa: 45% dos entrevistados são a favor de permanecer no bloco, contra 44% dos que defendem a saída. Os demais estão indecisos.
No domingo passado, foram publicados os resultados de uma pesquisa encomendada pelo jornal The Independent. De acordo com o periódico, 44% dos entrevistados disseram que ficariam "muito satisfeitos" com a saída da União Europeia, enquanto apenas 28% afirmaram sentir o mesmo sobre permanecer na UE.
Em fevereiro, quando anunciou a consulta, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, confirmou que a posição oficial do governo será defender a continuidade do país em uma Europa reformulada. Para alguns analistas, o assassinato da deputada Jo Cox, defensora dos direitos dos imigrantes e refugiados e da permanência do Reino Unido na União Europeia, pode contribuir para aumentar o apoio à permanência do país no bloco. Ela foi assassinada na quinta-feira da semana passada, a tiros e facadas, por um nacionalista xenófobo com supostas ligações a grupos neonazistas em Birstall, no Norte da Inglaterra.
O discurso contra políticas de acolhimento a refugiados tem sido usado frequentemente para engrossar o coro dos que pretendem deixar a UE. Já do lado dos que defendem a permanência na União Europeia, os discursos focam o impacto econômico de uma eventual saída do bloco, lembrando que, após a decisão, não há como voltar atrás. David Cameron e o seu ministro das Finanças, George Osborne, reforçaram os alertas.
A saída de um país da UE está prevista no Artigo 50º do Tratado de Lisboa, de 2009, que afirma que "qualquer Estado-membro pode decidir, em conformidade com as respectivas normas constitucionais, retirar-se da União Europeia".
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia